15.06.2010 | 18h59


POLÍCIA

Seleção vence mas não convence na estréia



Allen Chahad
Renato Pazikas 

Depois de um primeiro tempo irregular, a Seleção Brasileira acordou na etapa final e fez seu papel no jogo de estreia na Copa do Mundo da África do Sul. Bateu a Coreia do Norte por 2 a 1 nesta terça-feira, no Estádio Ellis Park, em Johannesburgo. Maicon fez um gol improvável e abriu o caminho da vitória, enquanto Elano ampliou. Ji Yun Nam descontou para os norte-coreanos.

Apesar do placar magro, o time comandado pelo técnico Dunga largou bem na frente no Grupo G, já que Portugal e Costa do Marfim empataram sem gols. Ou seja, uma vitória simples sobre os africanos, no próximo domingo, garante classificação tranquila para as oitavas de final. O duelo contra Portugal, dia 25, fechará a participação na primeira fase.

No primeiro gol brasileiro, Maicon chutou a menos de um metro da linha de fundo e acertou nas redes, aos 10min do segundo tempo. Já aos 26min, Robinho, o melhor jogador do Brasil em campo, deu um passe genial para Elano ampliar. O meia recebeu dentro da área e só teve o trabalho de tocar na saída do goleiro norte-coreano Guk Miong Ri.

A vitória brasileira ainda teve um susto final, provocado pelo ala esquerdo Ji Yun Nam. Já aos 43min, o norte-coreano invadiu a defesa, passou entre Maicon e Lúcio e marcou deslocando Júlio César com facilidade.

Com o frio de 1º C e sensação térmica de 4º C negativos quando a bola rolou, o Brasil encontrou dificuldades principalmente pela postura super defensiva apresentada pelos norte-coreanos. Não foi novidade, claro. Os asiáticos complicaram a vida dos brasileiros com uma retranca de oito jogadores quase sempre atrás da linha da bola.

O poder de criação brasileiro também foi limitado pela fraca atuação do meia Kaká. O cérebro do time errou muitos passes. Muito mal para quem já foi o melhor do mundo, acabou substituído aos 32min da etapa final por Nilmar.

O melhor do time foi Robinho. Sempre habilidoso, ousado e brigador. Luís Fabiano mostrou muita vontade, mas o futebol não esteve à altura do que o atacante pode produzir.

Dunga, que fez sua estreia como técnico em Copas do Mundo, não sentou um minuto sequer. Ficou encostado no banco de reservas. Na maior parte do tempo com o semblante fechado. Sorridente só na hora dos gols. Além de Nilmar, testou Daniel Alves no lugar de Elano e Ramires na vaga de Felipe Melo.

Para quem gosta de número e história, a Seleção conseguiu manter uma escrita de 32 anos. Desde 1978, no empate com a Suécia por 1 a 1, na Argentina, o Brasil começa a trajetória de um Mundial sempre com vitória. E foi o primeiro gol de um lateral direito do Brasil desde Josimar em 1986 - 4 a 0 sobre a Polônia, nas oitavas de final.

Primeiro tempo: dificuldades com a marcação

Contra um adversário bastante recuado, com três zagueiros para cercar Luís Fabiano e dois alas fechando a marcação sobre Elano e Robinho, o Brasil teve enormes dificuldades em penetrar na área norte-coreana e só finalizou três vezes no gol defendido por Ri Myong Guk. Kaká, em baixo ritmo, também errou passes e foi anulado pelos marcadores.

Os jogadores brasileiros mais acesos foram Maicon e Robinho, que no início do jogo apareceu bem pela esquerda e passou ótima bola a Kaká, que se atrapalhou na hora de finalizar. Depois, o próprio Robinho tentou, mas errou o alvo.

Aos 13min, enfim, o Brasil acertou o gol, mas o chute de Elano não ofereceu grande perigo à Coreia do Norte. Depois foi Robinho que apareceu livre na área e bateu, mas também muito fraco, sem ameaçar os asiáticos.

Ofensivamente, a Coreia do Norte esteve sempre refém da inspiração de Jong Tae Se. Em um lance, o único atacante da equipe norte-coreana passou entre quatro marcadores brasileiros e chutou fraco, nas mãos de Júlio César. Depois, levou fácil a marcação de Juan mas errou o alvo na hora de finalizar.

Na última parte do primeiro tempo, o Brasil, que acabaria os 45 minutos com 67% de posse de bola, usou e abusou da troca de passes sem objetividade, quase sempre acabando com a bola nos pés do Maicon em cruzamentos cortados pela firme defesa da Coreia do Norte.

Segundo tempo: mais inspiração e gols

Sem nenhuma substituição, o Brasil voltou para o segundo tempo com uma atitude mais incisiva e já nos minutos iniciais ameaçou a Coreia do Norte. Primeiro em falta cobrada por Michel Bastos, que assustou, e depois em contra-ataque veloz: de Kaká para Robinho, que desperdiçou.

O primeiro gol na Copa surgiu, enfim, aos 10min. Em bela virada de jogo que saiu dos pés de Felipe Melo, Elano entrou na área e passou a Maicon, que mesmo sem ângulo chutou com violência entre o goleiro norte-coreano e a trave, furando a retranca asiática.

Com vantagem no placar, o Brasil continuou em cima da Coreia do Norte e criou oportunidades. Michel Bastos chutou novamente de fora, levando perigo. Depois, em novo contragolpe, Kaká conduziu bem e passou a Robinho, que serviu Luís Fabiano para boa finalização.

Perdendo a partida, a Coreia do Norte se viu obrigada a buscar o jogo e abriu os espaços que o Brasil de Dunga adora aproveitar. Assim, aos 26min, o contra-ataque terminou em gol. Robinho acertou belo passe em profundidade para Elano, que deslocou o goleiro adversário e fez o segundo brasileiro.

Quando a vitória parecia tranquila, com o Brasil colocando o pé no freio e esperando o jogo acabar, ainda houve tempo para um susto. Ji Yun Nam, aos 43min, invadiu a área, levou a marcação e deslocou Júlio César.

O Brasil volta a jogar às 15h30 do próximo domingo, contra a Costa do Marfim em Johannesburgo - desta vez, porém, no Soccer City Stadium. Os norte-coreanos pegam Portugal na Cidade do Cabo na segunda-feira da semana que vem.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO