20.05.2011 | 11h35


POLÍCIA

Delegado Federal que atirou em jovens deve ganhar a liberdade

DA REDAÇÃO  09h42

O Delegado Federal Bráulio Melo, preso na madrugada desta quinta-feira(19), em frente a uma boate da capital, por disparo de arma de fogo contra 4 jovens, deve receber a liberdade a qualquer momento. Isso porque sua defesa, representada pelo advogado Eduardo Mahon, deve ingressar com o pedido de liberdade provisória, ainda hoje (20).

A defesa em nota, explicou que entende que a tipificação penal que foi dada pelo delegado responsável do caso como sendo disparo de arma de fogo, mostra que Melo não teve a intenção de agredir ninguém. Além disso, eles comentaram que o delegado atirou para o alto, justificando que a cidade de Cuiabá,tem um dos índices de violência mais altos do país e que não é incomum um ato moderado de defesa quando qualquer cidadão pensa estar sendo alvo de um roubo ou outra violência.

O estudante Thiago Pederneiras, 24 anos, foi umas das vítimas, e relatou que ele, dois amigos e a namorada estavam saindo da boate em direção ao carro que estava estacionado em frente a praça, quando o delegado se aproximou acompanhado de um amigo e começou a atirar. "Corremos e ele saiu andando atrás de nós. Ele falou que iria me matar", disse o estudante.

O delegado de plantão, Jefferson Dias Chaves, disse que se comprovado que o delegado da PF foi o autor do disparo, ele será autuado e responderá pelo crime de disparo de arma de fogo, podendo pegar 2 até 4 anos de reclusão. " Ele estava bêbado e não sabemos ainda o que de fato aconteceu, queremos saber se as cápsulasl que estão na rua são da arma do policial. Se for, iremos punir o responsável", explicou o delegado.

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO