14.08.2019 | 13h54


POLÍCIA / SALVE NA REDE

Áudios atribuídos ao Comando Vermelho prometem atacar Cuiabá; Governo reage

A possível ação dos criminosos seria uma resposta a Operação Elison Douglas, que retirou regalias de detentos na Penitenciária Central do Estado.


DA REDAÇÃO

Áudios atribuídos à facção criminosa Comando Vermelho têm circulado nas redes sociais com ameaças de um ‘Salve Geral’ em Cuiabá. A ação terrorista seria uma resposta à Operação Elison Douglas, realizada na Penitenciária Central do Estado (PCE), antigo Pascoal Ramos, na terça-feira (13), que tirou regalias de criminosos como celulares, móveis e visitas.

Em um dos áudios, um bandido afirma: “A partir das 22h vamos botar o terror em Cuiabá. Não saia de casa muito tarde e não saia antes das 6h”.

Em outro áudio, um criminoso também diz: “O bagulho vai ficar louco nas ruas. Quem não quiser cair que se deita que a pancada vai ser dura”.

Um terceiro áudio também é dito que ... “O bagulho vai ficar louco. Nós vai tacar fogo em viatura, bombeiro, em tudo, você não tá entendendo? A gente vai morrer, vai morrer todo mundo. A gente está começando a guerra”, afirma um criminoso.

Ouça os áudios

 

Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) afirmou que os áudios estão sendo analisados e “os responsáveis por difundi-los serão responsabilizados criminalmente”.

Ainda conforme o Governo, uma das pessoas que difundiu o áudio, Samuel de Souza Valdivino, foi preso em flagrante ontem às 15h30, em uma ação integrada da Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar no município de Lucas do Rio de Verde (360 km a Médio Norte de Cuiabá) pelos crimes de tráfico de drogas e enquadrado no artigo 2º da Lei 12850/2013 por promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa, a pena é de 3 a 8 anos reclusão, além de multa.

Operação em presídio 

Conforme noticiado pelo , na terça-feira uma grande operação foi deflagrada pelo Sistema Penitenciário para tirar regalias de presos na PCE, unidade considerada de segurança máxima, em Cuiabá.

Segundo o Sindspen, a ação é uma resposta ao pedido de socorro da categoria de agentes prisionais após a execução do agente Elison Douglas, em Lucas do Rio Verde (333 km de Cuiabá), em 30 de junho. 

A Polícia Civil confirmou que o agente prisional foi vítima de uma emboscada. Ele foi morto com pelo menos 20 tiros no momento em que chegava em casa, no bairro Tessele Júnior, em Lucas do Rio Verde. Um menor confessou a autoria do crime e disse que tinha uma desavença com o servidor. A polícia, no entanto, também tem como linha de investigação uma suposta ordem para matar Elison, que teria partido de dentro da cadeia. 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Lei acima de todos  15.08.19 06h36
Preso não deveria nem ter comida de graça. Tem que trabalhar pra pagar o que o estado gasta pra mantê-los e ressarcir o prejuízo às vítimas. É só você não roubar, não matar, não infringir a lei que você não vai pra cadeia.

Responder

4
0
Cidadão de bem  14.08.19 15h41
Será que terão atitude msm...porq falar até papagaio fala...manda eles baterem de frente com a Rotam e a Força Tática

Responder

18
0

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO