07.07.2019 | 17h45


LEVOU 20 TIROS

Agente prisional teria sido morto por ordem de presos; menor confessa emboscada

O servidor Elison Douglas da Silva, 37 anos, foi morto esta semana com mais de 20 tiros pelas costas no município de Lucas do Rio Verde.


DA REDAÇÃO

A Polícia Civil confirmou que o agente prisional Elison Douglas da Silva, 37 anos, foi vítima de uma emboscada. Ele foi morto com pelo menos 20 tiros no momento em que chegava em casa, no bairro Tessele Júnior, em Lucas do Rio Verde (333 km de Cuiabá), na noite de domingo passado (30).

Um menor confessou a autoria do crime e disse que tinha uma desavença com o servidor. A polícia, no entanto, também tem como linha de investigação uma suposta ordem para matar o agente, que teria partido de dentro da cadeia.

Em entrevista, o delegado Daniel Nery informou que o menor disse ter sido abordado pelos agentes dias antes e que teve uma arma apontada para sua cabeça. O assassinato do Elison seria uma vingança por esse fato, conforme a versão do menor. 

“A gente acredita que tenha havido alguma ordem da cadeia mesmo. Isso porque o Elison Douglas era um agente rígido com as regras e isso incomodava os suspeitos”, explicou o delegado.

RepórterMT/Internauta

Elison Douglas da Silva

Agente foi morto ao chegar em casa, durante emboscada.

Na data do crime, cinco pessoas tinham sido detidas por suspeita de participação no assassinato, porém, todos foram liberados por falta de provas.

O menor foi apreendido no dia seguinte e confessou o crime. Ainda durante as investigações, uma equipe mista de policiais civis e militares entrou em confronto com comparsas do menor. Ninguém se feriu na troca de tiros e os bandidos conseguiram fugir por uma mata.

 

A Polícia Civil também apreendeu uma pistola 9mm e duas espingardas. Estas armas teriam sido usadas na execução do servidor.

RepórterMT/Reprodução

delegado Daniel Nery

Delegado Daniel Nery coordena as investigações.

No entanto, o delegado Daniel Nery descarta a possibilidade do menor assumir a autoria do assassinato pelo simples fato de não ter 18 anos e pegar uma pena mais leve. Isso porque ele teria narrado o assassinato com “riqueza de detalhes, que só quem estava no local poderia descrever”.

As informações do menor também coincidem com a linha de investigação.

O caso continua sendo apurado pela Polícia Civil de Lucas do Rio Verde. O principal objetivo agora é identificar os comparsas do menor e apurar a real motivação do crime.

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Jair  07.07.19 18h51
Ai o demenor fica deboa né.. tem que mudar isso ai, talkey??

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO