16.04.2019 | 16h20


PHILANTROPIA

Vereador denuncia que ex-presidente ainda manda na Santa Casa

Toninho de Souza declarou, ainda, que Antonio Preza participa de reuniões da diretoria mesmo após deixar o cargo e ser alvo de investigação da Câmara e polícia.


DA REDAÇÃO

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga irregularidades na Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, vereador Toninho de Souza (PSD), denunciou que o ex-presidente da unidade Antonio Preza – que renunciou ao cargo em janeiro passado e é alvo de investigação, inclusive, da Polícia Fazendária – continua a dar “as cartas". Atualmente, o hospital é administrado pelo médico Luís Sabóia.

Na tribuna da Câmara, na manhã desta terça-feira (16), Toninho contou que foi à Santa Casa protocolar a solicitação de documentos para a CPI, mas quando chegou ao local foi informado da presença de Preza, que inclusive tem participado de várias reuniões da diretoria.

“Neste momento fomos interrompidos pelo Sabóia que disse que deveríamos ir à diretoria. Então disse que não iria a diretoria juntamente com o vereador Justino Malheiros [PV] porque não participo de reunião com Preza. Foi uma surpresa porque o Preza continua dando as cartas dentro da Santa Casa. Fizeram um combinado de renúncia”, acusa o vereador.

A informação de que Preza participa de reuniões da administração, segundo Toninho, foi confirmada inclusive pelo atual diretor administrativo do filantrópico.

“O Daniel Pereira, diretor administrativo, que eu entreguei o documento já tinha me confirmado que o Preza estava lá. Que tem participado dessas reuniões. O Sabóia também me confirmou”, disse.

“O Daniel Pereira, diretor administrativo, a quem entreguei o documento já tinha me confirmado que o Preza estava lá. Que tem participado dessas reuniões. O Sabóia também me confirmou”, disse.

O vereador quer uma reunião emergencial com o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) com o objetivo de forçar medida que resolva o problema administrativo do hospital, que está fechado desde o dia 11 de março passado.

“Está insustentável a questão da Santa Casa. O prefeito fez um compromisso que tomaria uma decisão e anunciaria em entrevista coletiva na segunda-feira [15], o prazo já passou. Hoje existe um pé de guerra dentro da Santa Casa, saímos de lá e recebemos a informação que os funcionários queriam invadir, quebrar a porta da diretoria. A Polícia precisou ser chamada porque há sete meses de salários atrasados”, concluiu.

Confusão

Na manhã desta terça, o médico Luiz Sabóia e três vereadores da Capital protagonizaram uma confusão que foi registrada em vídeo - veja aqui

Os vereadores Toninho de Souza, Justino Malheiros (PV) e Luiz Claudio (Progressistas) estiveram no local para protocolar documento solicitando informações da unidade.

Os parlamentares alegam que o médico teria se exaltado com a presença deles no local, logo após ter se reunido com funcionários da casa que cobram sete meses de salários atrasados.

As imagens divulgadas nas redes sociais mostram Luiz Sabóia empurrando uma pessoa que filmava o ocorrido. Devido ao atrito os vereadores se retiraram. À imprensa, o vereador Toninho de Souza comentou que a atitude do diretor foi agressiva e isso o deixou mais convicto da necessidade de uma intervenção no hospital.

Vereador passou mal

Em meio à confusão, o vereador Luis Cláudio (PP), líder do prefeito Emanuel Pinheiro na Câmara, passou mal, com dores no estômago e precisou ser levado para atendimento em um hospital particular.

Caos

Recentemente a Santa Casa apresentou relatório que constatou dívida de R$ 118 milhões com fornecedores, instituições bancárias e salários atrasados.

Sabóia assumiu a direção da unidade esta semana, no lugar de Carlos Coutinho, porque o antigo conselho gestor já não tinha mais credibilidade para tratar com os poderes sobre pedido de ajuda financeira.

O balanço de quanto o hospital filantrópico tem em dívidas só foi apresentado na sexta-feira (12) e até agora o Ministério Público não autorizou qualquer repasse porque não há segurança para tal.

A direção de Sabóia é questionada por ele ser primo do ex-diretor da unidade o médico Luiz Antônio Preza, investigado pela CPI como possível causador do rombo na Santa Casa.

Leia mais: 

Direção da Santa Casa é afastada e novo conselho assume a unidade

Santa Casa apresenta dívidas de R$ 118 milhões e espera intervenção

Santa Casa completa um mês de portas fechadas e sem solução

 

 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

carol  17.04.19 08h04
Parabéns Vereador Toninho e os demais vereadores pela diplomacia de resolver os problemas. O Saboia que faltou com respeito com os funcionários isso não pode acontecer e nem ele permanecer na direção da Santa Casa.

Responder

0
0
marcelo pereira  16.04.19 16h49
olhem como o vereador advair cabral estava interessado no assunto da santa casa kkkkk

Responder

2
1
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO