25.03.2020 | 11h53


PODERES / DISCORDANDO DE BOLSONARO

Governador afirma que continuará restringindo o convívio social

Mauro Mendes destacou que o governo não vai proibir o funcionamento de nenhuma atividade econômica essencial durante a pandemia


DA REDAÇÃO

O governador Mauro Mendes (DEM) disse que vai continuar restringindo o convívio social como forma de evitar a disseminação do novo coronavírus (Covid-19). A declaração foi em resposta ao pronunciamento feito pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), em rede nacional, quando defendeu o fim do confinamento e reabertura do comércio e das escolas.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (25), Mauro destacou que o governo não vai proibir o funcionamento de nenhuma atividade econômica essencial.

"Vamos continuar a restringir o convívio social e preparar toda a estrutura necessária para atender aos possíveis doentes do coronavírus. Mas, não iremos proibir nenhuma atividade econômica essencial, desde que haja a devida obediência às regras sanitárias”. 

Na terça-feira (24), o governo afirmou que deve decretar estado de calamidade pública em Mato Grosso, como medida necessária para combater o coronavírus no Estado. Os detalhes da medida devem ser editados e divulgados nesta quarta-feira, durante a reunião com o Gabinete de Situação, montado para monitorar a pandemia.

A decisão em decretar a calamidade foi tomada como forma de auxiliar os 141 municípios do Estado, que precisam adotar uma série de ações. Com esta decisão, os prefeitos conseguem mais flexibilidade e reduz a burocracia para tomar as medidas urgentes que a luta contra o coronavírus exige.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO