14.01.2020 | 10h00


GERAL / VEÍCULO CLONADO

Cuiabano compra moto em leilão da Semob e acaba preso por furto

Jeferson Tavares Fonseca afirma ter pago R$ 10 mil numa Honda XRE que, segundo a polícia, é produto de furto. Veículo teria sido clonado.


REDAÇÃO

A compra de uma moto Honda XRE de 300 cilindradas por meio de um leilão da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), em outubro passado, se transformou numa verdadeira dor de cabeça para o cuiabano Jeferson Tavares Fonseca, 53 anos, que acabou preso - na semana passada - acusado de furto.

Jeferson conta que arrematou a moto por R$ 10 mil, porém, três meses após a compra foi informado por um vizinho que a polícia estava na ‘porta’ de sua casa em busca de uma moto furtada. Ao chegar na residência foi preso pelos agentes de segurança por furto e clonagem.

A informação foi divulgada pelo programa Balança MT, canal 12.1 (TV Cidade Verde), na manhã de segunda-feira (13).

Ele explicou que quando procurou o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), para pagar uma taxa de transferência da moto, não foi constado que a moto era produto de roubo ou furto.

Segundo a vítima, não chegou a pagar o documento porque foi informado pela funcionária do Detran que haviam outras pendências, sem que houvesse especificações.

Ainda segundo a reportagem, após a prisão considerada truculenta por Jefferson, a Semob teria oferecido à devolução do dinheiro.

O veículo foi apreendido e encaminhado levado para pátio da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERVFA).

Segundo a reportagem, o programa tentou apurar como a moto foi encaminhada a leilão sem os devidos cuidados para venda, porém, não obteve resposta.

Nota - Sobre a situação da motocicleta arrematada em leilão e apreendida após constatação de irregularidades, a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) informa que:

- O veículo teve o chassi remarcado, por isso não foi constatado, durante checagem, a denúncia de roubo ou furto.

- A Secretaria não possui corpo técnico para realização da perícia necessária nestes casos específicos.

- A motocicleta foi apreendida pela Polícia Militar (PM) e encaminhada ao pátio da empresa Rodando Legal, terceirizada da Semob e responsável pela guarda e leilão dos veículos.

- A empresa já tem conhecimento sobre a situação e está tomando as providências cabíveis junto ao atual proprietário da motocicleta.

- A Pasta está acompanhando o caso e se coloca a disposição do condutor, para sanar todas as dúvidas e auxiliá-lo no que for possível.











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

MARCOS ANTONIO PEREIRA  14.01.20 22h49
Essa semob está se tornando um covil perigoso. Esse assunto está cheirando a maracutaia da semob.

Responder

18
0
olavo  14.01.20 16h00
O Povo reclama da Lei de Abuso de Autoridade, mas é justamente pra essas coisas que foi criada a lei, se beneficia político? pode ser, mas neste caso o cidadão de bem, pode ferrar em esses maus profissionais... LEI DE ABUSO NELES!!!

Responder

46
13
Eduardo  14.01.20 12h16
Põe na justiça Jeferson, pq isso aí da um bom processo $$!! Não importa o tempo q demore, mais vc ganhará.

Responder

78
3
RUBEM ENGELBRECHT  15.01.20 17h21
Vai ganhar uns trocados fácil, fácil Processo neles!!

Responder

5
1
CARMEN  14.01.20 10h30
O que mais chama a atenção é que a polícia ( se é que podemos chamar o que nós temos de polícia ) pseudoinvestigou. Ou seja, nem sequer foram atrás da veracidade do fato ( o roubo ) pelo cidadão. A moto foi adquirida em leilão e já foram na casa do cara pra prendê-lo, já deram lição de moral nele, expuseram-no à imprensa, fotografaram o sujeito e tudo mais. Despreparo total da polícia. Por quê não apreenderam a moto no pátio da Semob ? Por quê não prenderam o secretário da Semob ? Agora eu entendo a lei de Abuso de Autoridade do Congresso. É pra tentar proteger a sociedade de um polícia que não sabe investigar antes de denegri a imagem de um cidadão de bem.

Responder

118
4

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO