15.05.2018 | 15h07


FRAUDES NO DETRAN

Irmão de ex-secretário xinga empresários por ser citado em esquema

Pedro Jorge Zamar Taques chama os empresários Roque e Marcelo de vagabundos em telefonema com o delator do esquema.


DA REDAÇÃO

Um telefonema do advogado Pedro Jorge Taques, irmão do ex-secretário da Casa Civil Paulo Taques, revela o momento em que ele xinga os empresários Roque Reinheimer e Marcelo Costa, sócios da Santos Treinamento, por terem citado seu nome em depoimento sobre pagamentos de propina para manutenção do contrato com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

A ligação foi gravada pelo empresário José Henrique Gonçalves, sócio da EIG Mercados, que era detentora do contrato com o Detran. José é réu confesso dos crimes.

Os irmãos Pedro e Paulo Taques foram presos preventivamente em operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público (MPE).

No vídeo, divulgado pelo site Mídia News, Pedro Jorge explica que foi obrigado a recolher ‘impostos’ em função da operação deflagrada.

“Eu me vi obrigado a recolher todos impostos. Aqueles vagabundos acabaram nos envolvendo, o Roque e o Marcelo, eles terminaram me envolvendo. Por isso eu protocolei uma petição explicando”, diz Pedro, na ligação.

Veja o vídeo

A ligação é parte das provas entregues pelo delator Jose Henrique ao Gaeco. A investigação aponta que o desvio de dinheiro público e pagamento de propina, por meio de contrato da empresa EIG Mercados e o Detran, segue na ordem de R$ 27,7 milhões e operou de 2009 a 2015.

Foram presos na segunda fase da operação Bereré, o deputado Mauro Savi;  o ex-chefe da Casa Civil Paulo Taques; o irmão de Paulo, Pedro Jorge Zamar Taques, e os empresários Roque Anildo Reinheimer, Claudemir Pereira dos Santos e José Kobori.

Leia mais

Gaeco prende Paulo Taques e deputado Mauro Savi por esquema de fraude

aeco vasculha casas e gabinetes de deputados por desvios no Detran

Estagiário faria o serviço contratado por R$ 36 milhões no Detran, diz chefe do MP

Empresa investigada recebe R$ 36 milhões ao ano por serviços prestados ao Detran

Empresa teria pago R$ 1,5 milhão a Silval e Savi para ganhar licitação 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER