06.01.2019 | 08h00


500 OBRAS PARADAS

Antes de retomar, Mauro pode auditar contratos de Taques

O governador Mauro Mendes disse que só retomará obras com dinheiro em caixa para sua conclusão e contratos revistos


DA REDAÇÃO

O Governo do Estado prepara um diagnóstico profundo das obras que estão paradas por falta de recursos financeiros.

Segundo o governador Mauro Mendes, elas só serão retomadas com a garantia de lastro financeiro para que sejam concluídas. Em seu primeiro dia de Governo, Mauro disse que não havia material humano suficiente na equipe de transição para fazer o levantamento.

Contou que é necessário fazer um profundo levantamento das medições que foram realizadas, verificando, por exemplo, o que foi pago e o que não foi pago pelo Governo. “Antes de uma eventual retomada você tem que fazer ajustes no contrato, o que é um trabalho complexo e relativamente grande”, disse durante coletiva de posse.

Segundo ele, é necessário esse trabalho de cautela para verificar como está a obra, se houve deterioração, roubos que possam ter acontecido nas obras.

Para Mauro Mendes, são realidades distintas e complexas que o novo Governo enfrentará. Em Cuiabá, as obras para a Copa do Mundo são os maiores gargalos. A cidade foi um dos palcos do Mundial de 2014, mas as obras ainda não ficaram prontas. A principal delas é o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que já consumiu R$ 1,066 bilhão.

Em 2017, a estimativa do governo era de gastar quase R$ 1 bilhão a mais para que os vagões possam trafegar. No entanto, a Operação Descarilho envolvendo o pagamento de propinas do VLT fez o Governo decidir não negociar mais com o consórcio construtor.

Mauro ganhou a eleição prometendo resolver o impasse sobre o VLT em um ano, uma das opções previstas é de realizar uma Parceria Público-Privada (PPP) para a retomada da construção do modal e sua operação. Em 2015, o Governo contratou uma auditoria externa que concluiu que o VLT só seria viável para Cuiabá em 2045, e que naquele momento, o valor da passagem a R$ 3,60, o Estado teria que arcar com R$ 37 milhões, por ano, para funcionamento do modal.

Outra obra paralisada que foi questionamento de Mauro na campanha foi o Hospital Júlio Muller, que está sendo construído às margens da MT-040 na saída para Santo Antônio de Leverger. A obra foi parada em 2014, por necessidades de adequações no projeto. Segundo o ex-governador Pedro Taques (PSDB), o hospital está sendo construído em um ‘banhado’ e o convênio com a União está equivocado, já que prevê 50% de contrapartida do Estado, quando o máximo seria de 20% já que o hospital servirá à Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Uma das promessas de Mauro é de retomar à obra.

Na nova gestão, tanto a construção de estradas, quanto as obras urbanas estão a cargo da Secretaria de Estado de Infraestutura e Obras Públicas  (Sinfra), sob resposabilidade de Marcelo Padeiro.

Vale lembrar que o ex-governador Pedro Taques (PSDB), se enveredou por caminho semelhante no tocante às obras e acabou se perdendo em auditorias intermináveis e por isso, pouco realizou nesse quesito. 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Cramulhão  06.01.19 10h39
PTX começou seu governo dizendo querer auditar obras de Silval. Passou quatro anos auditando. Perdeu a reeleição. Certo mesmo é mandar tudo para o Ministério Público - que tem essa função - e tocar o barco. Povo não gosta de politico medroso e enganador.

Responder

0
0
Benedito costa  06.01.19 09h52
Pedro Taques quando assumiu o governo do Estado, disse a mesma coisa que o atual vem dizendo, ou seja: fazer levantamento da situação do Estado, das obras e do caixa. Assim Mauro faz o mesmo, o outro que sucede-lo daqui a 4 anos, fará o mesmo. Tudo isso é era de Baleiro e Silval que individaram l o Estado.

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

GESTÃO

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora?

Excelente: MT foi destruído por governos anteriores

Bom: Está enfrentando problemss que ninguém quis enfrentar

Ruim: Não faz reformas de verdade e culpa o servidor

Péssimo: Vai conseguir ser pior que Silval e Taques

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER