07.12.2017 | 07h55


JOÃO EDISOM

Pasmaceira letal

Da próxima legislatura dependeremos para efetivar as reformas.

Estamos a menos de um ano de irmos às urnas naquela que é a principal eleição do quadriênio.

A ausência de partidos políticos com propostas e, principalmente, de candidatos que possam representar alguma luz deixa o eleitorado brasileiro em uma pasmaceira que só beneficia quem já detém o poder.

No fundo do poço tem mais poço, uma vez que o desejo de alguns grupos de manter o poder e o desejo de retornar ao poder por outros tem mascarado a realidade.

As decisões necessárias para restabelecer o crescimento do país e equilibrar as contas têm sido tratadas como produtos de marketing para desmoralizar o Temer. Isso não é nada didático.

O que é mais importante para o cidadão: o Temer patrulhado por aqueles que o consideram traidor ou o país voltar a crescer?

Dilma não teria chegado a reeleição sem o apoio do PMDB detentor do maior número de prefeituras do país, mas também é verdade que o atual presidente articulou para a queda dela.

Só que esta questão não pode ser maior que as necessidades de reforma proteladas por conveniência até então por todos os ex-presidentes.

Por que então ninguém defende o Temer? Primeiro, porque os partidos políticos são, na sua essência, descompromissados com seus filiados. Segundo, porque a gravação do Joesley Batista fragilizou aquilo que já não era forte e por último que quem está no poder quer mais poder, mesmo que isso signifique a desgraça do país.

Individualismo com uma boa dosagem de mau caratismo. “Uma eleição é feita para corrigir o erro da eleição anterior, mesmo que o agrave” - Carlos Drummond de Andrade.

Do lado de cá, o povo que trabalha e não está nem com tempo e nem tem interesse em ser candidato fica cada dia mais desiludido.

Esse povo irá engrossar as fileiras das abstenções, voto nulo, voto branco, fator extremamente favorável aos que querem usar o poder para benefícios individuais e serem beneficiados financeiramente com o poder público.

Se os bons eleitores não votam, os maus não pensam duas vezes e serão estes a conduzir ao poder os próximos eleitos.

A Lava Jato e as tantas denúncias por si só não farão as mudanças que o país precisa.

O fato de sabermos que há corrupção e quem faz parte dela não vai barrar que nos próximos anos esses mesmos retornem ao poder e nem que os novos continuem os mesmos modus operandi do mal uso do dinheiro público.

É necessário que precisamos ser mais participativos e estarmos mais vigilantes para ajudar quem está lutando para melhorar a politica brasileira. “Onde se acham em ação forças morais, é nosso dever fortalecê-las” - Stefan Zweig. 

O custo desta pasmaceira poderá ser letal, já que da próxima legislatura dependeremos para efetivar as reformas e projetar o país e os estados para os próximos quatros anos. Um erro em 2018 dura até dezembro de 2022.

“O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons” - Luther King.

E “A cédula eleitoral é mais forte que a bala” - Abraham Lincoln

JOÃO EDISOM DE SOUZA é analista político e professor universitário em Cuiabá.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
15.12.17 08h25 »  Postulantes ao sucesso
15.12.17 08h22 »  UP Natalino
15.12.17 08h20 »  Estado, desperte!
15.12.17 07h55 »  O impacto de um sorriso
14.12.17 07h55 »  Rio de Janeiro x MT
14.12.17 07h55 »  Arquitetos, voos e ferrovias
13.12.17 18h00 »  Preciosismo
13.12.17 07h55 »  Isonomia e a pequena empresa
12.12.17 13h47 »  Superando desafios
12.12.17 07h55 »  A indústria do dano moral

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER