17.01.2011 | 09h44


VARIEDADES

Ginco: obras apresentaram problemas desde o início

ROBERTA DE CÁSSIA    10h40
DA REDAÇÃO

Quando foi lançado em 2008, os empreendimentos da Ginco/Goldfarb San Marino, Mônaco e Montenegro no bairro Parque das Nações já apresentaram os primeiros problemas.

A empresa foi denunciada pelo promotor Gérson Barbosa no Ministério Público Estadual (MPE) por crime ambiental. O Ministério até apresentou 15 ações referentes à prática de invasão e destruição de áreas de preservação permanente (APP) na Capital contra pessoas físicas e jurídicas.

"Na época a empresa teve que refazer a planta seguindo as normas ambientais que dizem que qualquer construção tem que ficar há pelo menos 30 metros de distância de um córrego Ribeirão do Lipa, lá existente.

Após os ajustes propostos pelo MP e fiscalizado junto com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Smades) a obra ganhou o alvará, mas teve que refazer o Projeto de Recuperação de Área Degradada", completou o ex-secretário da Smades Arquimedes Pereira Lima Neto.

Mesmo assim antes do Termo de Ajustamento de Conduta -TAC com MP, a empresa teve sua obra interditada em setembro pelo flagrante de desmatamento em uma faixa de quatro quilômetros e terraplanagem em área de APP, às margens do córrego Ribeirão do Lipa. A empresa também foi multada em R$ 53 mil.

Em junho de 2009 o juiz da 7ª Vara Cível da Capital, Elinaldo Veloso, concedeu reintegração de posse à empresária Adriane Oliveira, que teve um hectare da chácara de sua propriedade invadido pela empresa Ginco/Goldfarb, em uma área a poucos metros da rodovia Emanuel Pinheiro.

Parte das duas casas decoradas no condomínio San Marino, local tiveram que ser destridas. (foto)

Mais problemas - Agora que já está próxima a entrega, mais problemas denunciados pelos futuros moradores que compraram um loteamento como condomínio fechado. O Ministério Público Estadual abriu inquérito para apurar as denúncias. Inclusive, já começou a ouvir os compradores dos empreendimentos San Marino, Mônaco e Motenegro da Ginco/Goldfarb.

O site Repórter MT recebeu várias reclamações sobre o caso. A empresa dificulta as informações à imprensa, ficando em silêncio.

Primeiro, a Ginco/Goldfarb começou a receber um por um dos clientes, para esclarecer dúvidas referentes ao empreendimento. Mesmo com o plantão, alguns clientes não ficaram satisfeitos com as respostas quanto ao prazo de entrega das obras programadas para novembro de 2010 e adiada para abril de 2011. Alguns nem fizeram a vistoria até o momento.

Outro problema foi referente aos muros e a cancela. Como loteamento, as vias são públicas e na teoria não poderia ter acesso restrito. A Ginco/Goldfarb informou aos moradores que os muros e a cancela serão entregue como previsto. Mas, eles terão que formar uma associação de moradores para administrar o condomínio por conta.

Depois de tanta insistência, os futuros moradores conseguiram que a empresa marcasse uma reunião nas obras dos residenciais na próxima quarta-feira(19) às 16h.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO