18.11.2019 | 16h40


'POR CURIOSIDADE'

Garoto quase morre após introduzir 53 imãs no pênis

Rapaz contou aos médicos que colocou o brinquedo no órgão sexual "por curiosidade". Os imãs causaram hemorragias internas quase fatais



Uma brincadeira quase tirou a vida de um adolescente chinês de 14 anos, identificado apenas como Jiang Hua. Por curiosidade, ele introduziu na uretra 53 contas magnéticas de um brinquedo conhecido como NeoCube, Cubos Magnéticos ou BuckyBalls. O brinquedo é formado pela junção de vários ímãs, por isso, o rapaz achou que seria possível retirá-los com facilidade, porém não conseguiu e precisou ser levado às pressas para o Hospital Infantil de Wuhan.

Em uma tentativa desesperada de retirar os pequenos ímãs do pênis, Jiang Hua acabou amontoando ainda mais contas magnéticas no órgão. Em entrevistas, o rapaz disse que acreditava que seria possível espremer as contas para fora do pênis, mas, em vez disso, o garoto estava empurrando os objetos uretra adentro.

O rapaz chegou ao hospital pálido, vomitando, tonto e em estado de choque. Segundo os médicos, as roupas íntimas de Jiang estavam “ensopadas de sangue”.

As bolas magnéticas foram removidas cirurgicamente, mas se aglomeraram dentro da uretra do paciente. O fato ocasionou hemorragias que poderiam ter sido fatais, de acordo com os médicos que atenderam o caso.

Dois meses antes do caso de Jiang Hua, outro garoto, de 12 anos, foi operado pelo mesmo motivo. Neste caso, o paciente demorou dois meses para avisar os responsáveis sobre o que estava acontecendo.

Buckyballs são brinquedos populares vendidos sob a forma de esferas de metal, que podem ser empilhadas em qualquer formato graças às suas propriedades magnéticas. Os ímãs de neodímio foram banidos nos Estados Unidos em 2012 devido ao grande número de casos de acidentes, inclusive óbitos, causados pelo brinquedo.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO