14.07.2020 | 23h04


POLÍCIA / DEPOIMENTO DE 7 HORAS

Menor que matou amiga com tiro na cabeça dá detalhes sobre como tudo aconteceu

O empresário Marcelo Martins Cestari acompanhou a filha na delegacia e também prestou seu primeiro depoimento oficial que terminou por volta das 21h na Delegacia de Homicídios de Cuiabá.


DA REDAÇÃO

O depoimento da adolescente B.O.C, 14 anos, e do pai, Marcelo Martins Cestari, 46, terminou após cerca quase 7 horas dentro da Delegacia de Homicídios e Proteção á Pessoa (DHPP), onde os envolvidos deram explicações e relataram de forma detalhada as circunstâncias do “acidente” que matou a adolescente Isabele Guimarães Ramos, 14, com um tiro que atravessou a cabeça da vítima.

 

O conversou com o advogado da família Cestari, Rodrigo Pouso. Ele explicou como foi o depoimento de B.O.C., única testemunha presencial e apontada como a responsável pelo disparo que matou a ‘melhor amiga’.

Rodrigo revelou que a adolescente, ainda muito abalada, relatou os fatos de forma emocionada, sem se sentir pressionada, já que o delegado trabalhou com o cuidado de deixar a jovem a vontade, falando no tempo dela e com calma.

Segundo a versão de B.O.C. “ela foi chamar a amiga que estava no banheiro, na parte superior da casa, para descer. Nesse momento, a maletinha (case) com arma, que estava segurando para ir guardar, caiu de sua mão aberta no chão. Então ela (B.O.C) se abaixou, pegou a arma com uma mão, a case com a outra e quando foi colocar a arma novamente dentro da ‘maletinha’ ela disparou e atingiu Isabele, que estava na frente da amiga”, explicou Pouso.

O advogado ressaltou que “foi uma fatalidade, não teve nada de que a cliente estava manuseando arma, de que estava brincando e nem essas histórias de adulteração da cena. Foi a família que chamou a polícia e a polícia lacrou o local. A arma foi entregue ao delegado, então é tudo história”

A menor saiu da delegacia pelos fundos, por volta das 19 horas, evitando exposição. Já Marcelo, deixou a DHPP cerca de duas horas depois da filha, entrou em seu carro e não quis falar com a imprensa que aguardava do lado de fora da unidade policial.

Os depoimentos sobre o caso começaram nesta terça-feira (14), outras testemunhas ainda serão ouvidas e o delegado aguarda os laudos periciais que darão embasamento às investigações e serão confrontadas com as informações colhidas durante esta fase de oitivas.

Entenda o caso  

Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, morreu durante a noite desse domingo (12) após ser atingida por um tiro acidental disparado pela amiga, dentro de casa, no condomínio de luxo Alphaville. A bala atingiu o rosto, saindo pela nuca e matando a adolescente na hora.

 

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionada por volta das 22h30 e encontrou o corpo da adolescente caído no banheiro.


Leia reportagem completa aqui.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

CARLOS MIGUEL RONDON DE SOUZA  15.07.20 21h14
É tão dolorozo tirar a vida de outra que emagino o tanto que essa garota esta sofrendo. Vamos.deixar a vida dela em paz se for possível pois com certeza ela já está passando por um mal bocado

Responder

3
2
PASTOR JIM JONES  15.07.20 07h29
E os celulares das adolescentes não serão periciados? Será que nunca ouve um entrevero mal resolvido entre elas? Uma mágoa? Eis a questão?

Responder

11
15
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO