07.11.2019 | 17h30


RÁDIOS COMUNITÁRIAS

Promotor pede que órgãos públicos não façam propagandas pagas

O documento foi encaminhado para o Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Prefeitura e Câmara de Cuiabá.


DA REDAÇÃO

O promotor Mauro Zaque, do Ministério Público Estadual (MPE) encaminhou uma notificação recomendatória ao Governo do Estado, a Assembleia Legislativa, a Prefeitura e Câmara de Cuiabá para que não enviem material publicitário ou propaganda institucional paga às rádios comunitárias.

Ao emitir a notificação aos órgãos, Zaque considerou uma auditoria feita em um contrato de R$ 710 milhões do Gabinete de Comunicação (GCom), em 2016, que apontou várias irregularidades na gestão dos programas de publicidade e propaganda do Estado.

Ele destacou que os apontamentos feitos servem de orientação para outros órgãos e Poderes.

O promotor ainda considerou uma denúncia encaminhada ao Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa de Cuiabá de que os órgãos públicos estariam direcionando material de mídia oficial e institucional de propaganda e publicidade para divulgação remunerada em rádios comunitárias.

Zaque citou que a Lei federal 9.612/98, que instituiu o Serviço de Radiodifusão Comunitária, de que o serviço de rádio comunitária pode ser explorado por associações e fundações comunitárias sem fins lucrativos.

Outro fato que levou o promotor a fazer a orientação foi uma auditoria feita pela Controladoria Geral do Estado (CGE) que apontou ‘destinações vultosas’ para sites e blogs que não possuem audiência suficiente para gerar estatística nos rankings de acesso.

“Não havendo justificativa para o investimento de recursos públicos em tais plataformas, devido à baixa repercussão e sequer sendo possível saber, da análise dos processos de pagamento, o número de cidadãos que visualizaram os anúncios institucionais”, diz trecho do documento assinado no último dia 31.

As notificações foram enviadas para o governador Mauro Mendes (DEM), o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (DEM), o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) e o presidente do Legislativo cuiabano, Misael Galvão (PSB).

“Se atenha aos aspectos acima delineados e oriente suas respectivas Secretarias para que não haja o envio de material publicitário e propaganda institucional, pagas, para as chamadas rádios comunitárias, vez que as mesmas não podem ser consideradas como órgãos de imprensa oficial a dar validade aos autos da administração”, destacou.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO