07.07.2017 | 17h30


PODERES / ESCÂNDALO DAS ESCUTAS

MPE pede arquivamento de investigação dos 'grampos' no TJ

O procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, argumentou que a mesma apuração está sendo realizada pelo Ministério Público do Estado (MPE).


DA REDAÇÃO

O procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, pediu o arquivamento das investigações das interceptações telefônicas clandestinas no âmbito do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Em documento enviado ao relator das investigações no TJ, o desembargador Orlando Perri, no último dia 22 de junho, Curvo argumentou que a mesma apuração está sendo realizada pelo Ministério Público do Estado (MPE), através do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco).

Ainda conforme o procurador-geral, o MPE é o titular da ação penal e caberia ao órgão a decisão de manter o sigilo das informações. Perri retirou o segredo de justiça das investigações.

Entretanto, importante salientar que a investigação se resume a questões de interceptações telefônicas, procedimentos altamente sigilosos”, afirmou Curvo, no documento, apontando ainda que cabe ao Naco decretar o sigilo, quando necessário.

A denúncia dos “grampos”, monitorados pela Polícia Militar, em esquema de “barriga de aluguel”, foi feita pelo promotor de Justiça, Mauro Zaque. Segundo ele, o esquema foi operado durante os anos de 2014 a 2015 e interceptou telefones de políticos, jornalistas, advogados, empresários e servidores públicos.

Os fatos vieram à tona após matéria veiculada no programa Fantástico, da Rede Globo, em maio, e motivaram a Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso (OAB/MT) a protocolar notícia-crime na Justiça, cuja relatoria está sob Perri.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO