19.07.2019 | 14h40


VERBA DO GAECO

Ex-servidora do MP nega irregularidades e diz estar pronta para desmentir PMs na Justiça

Mirela Miranda Ojeda foi citada no depoimeto do cabo Gerson Corrêa, réu na grampolândia, como sendo a servidora que comenteu desvio de finalidade para atender ordens de promotores.


DA REDAÇÃO

A ex-servidora do Ministério Público Estadual (MPE) Mirela Miranda Ojeda chamou os policiais militares, réus confessos no processo que apura o esquema de grampos em Mato Grosso, de mentirosos ao negar ter ocorrido irregularidades no uso e prestação de contas da “verba secreta” do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

A resposta é em decorrência das denúncias feitas pelo cabo da PM Gerson Corrêa Júnior de que a então servidora, à época responsável em cuidar das notas e comprovantes de gastos do Gaeco, teria praticado desvio de finalidade para atender ordens de procuradores e promotores.

“Esclareço que durante o período em que trabalhei como Assistente Ministerial sempre cumpri as ordens dos meus chefes dentro da lei, com honestidade e

“Repudio as declarações mentirosas contra a minha pessoa e aos membros do Ministério Público, uma vez que o período de 10 anos que trabalhei junto ao grupo, as prestações de contas eram rigidamente conferidas e aprovadas pelos Procuradores e promotores de Justiça dentro da legalidade”, diz trecho da nota assinada por Mirela.

responsabilidade nas demandas financeiras para uso exclusivo nas diligências sigilosas a serviço daquele grupo. Que repudio as declarações mentirosas contra a minha pessoa e aos membros do Ministério Público, uma vez que o período de 10 anos que trabalhei junto ao grupo, as prestações de contas eram rigidamente conferidas e aprovadas pelos Procuradores e promotores de Justiça dentro da legalidade”, diz trecho da nota assinada por Mirela.

Ela conclui o texto afirmando estar à disposição de qualquer juízo, instância e/ou Tribunal para prestar esclarecer os fatos.Ela ainda argumenta que as contas prestadas pelos policiais eram realizadas no retorno das viagens e diligências sigilosas “cabendo a mim, por praxe de serviço, atestar e lançar na planilha de despesas daquele grupo, obedecendo às ordens a mim imputadas, dentro da lei de prestação de contas da Procuradoria Geral de Justiça”.

Depoimento de PM

Na quarta-feira (18), o cabo Gerson Corrêa Júnior também falou ao juiz Marcos Faleiros, da 11ª Vara Especializada da Justiça Militar de Cuiabá, sobre a chamada “verba secreta” do Gaeco. Ele voltou a afirmar o que já havia dito na tentativa de acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual. 

Ao juiz, o militar narrou que existem sobra de verbas que são apropriadas de forma fraudulenta desde a chegada do ex-procurador-geral de Justiça Paulo Prado ao comando do órgão. 

“No Gaeco essas condutas, na verdade, se arrastam há muito tempo”, afirmou.

Entre os casos, de acordo com Gerson, uma assessora do coordenador do Gaeco, promotor Marco Aurélio, procurou militares para assinar prestação de contas retroativas. Um dos casos ocorreu com o coronel Evandro Lesco, que a época atuava no grupo. Ele já teria prestado todas as contas e por isso o pedido causou estranheza.

O policial declarou ainda que a sobra da verba era depositada na conta de um promotor e usada caso houvesse novas operações. Entretanto, há relatos de que um promotor comprou um cão com o dinheiro da suposta “verba secreta” e outro usou para consertar uma moto.

O militar comparou a verba secreta do Gaeco com a verba de suprimento da Assembleia, que resultou na operação Metástase, em 2015, onde os policiais encontraram no forro de um dos gabinetes da Assembleia diversas notas fiscais com os gastos da verba de suprimento que não eram declarados.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER