12.01.2017 | 14h20


CADEIRA DO TCE-MT

Em parecer, Janot inocenta Maggi da acusação de compra de vaga

Procurador-geral da República afirma que não existem provas suficientes para instauração da ação penal contra o ministro da Agriculttura


DA REDAÇÃO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, divulgou um parecer, nesta quinta-feira (12), no qual afirma que são insuficientes as provas colhidas contra o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na ação em que ele é acusado de integrar um suposto esquema de compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE).

“No que toca ao senador da República Blairo Maggi, contudo, no decorrer das investigações, pôde-se constatar que os elementos de prova colhidos formam um conjunto de indícios insuficiente para a instauração de ação penal”, diz o texto de Janot.

Maggi e outros réus no processo, originário da Operação Ararath, teve bens bloqueados em R$ 4 milhões na última quarta (11), por decisão do juiz Luis Aparecido Bortolussi, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular.

O suposto esquema teria resultado na compra da vaga ocupada pelo então conselheiro Alencar Soares, em favor do então deputado Sérgio Ricardo.

Na época, em 2010, o ministro era o governador do Estado e responsável pela nomeação no TCE.

A venda de vaga no TCE teria ocorreu após delação premiada do empresário Júnior Mendonça e do ex-secretário  de Estado e então "braço-forte" do ex-governador Silval Barbosa, Eder Moraes. 

Mendonça disse que o suposto esquema tinha começado em 2008, época em que Sérgio Ricardo presidia a Assembleia Legislativa.

Ele afirmou que o então governador Blairo Maggi obteve dele, por meio de um empréstimo articulado por Eder Moraes, R$ 4 milhões para pagar Soares, para que ele desocupasse a vaga. 

Com informações do site da revista Veja

Leia mais

Jornal Nacional repercute bloqueio de bens do ministro Blairo Maggi

Após bloqueio de R$ 4 milhões, Justiça encontra R$ 503 mil em contas de réus

Maggi diz que foi 'inocentado' por Janot e vai recorrer do bloqueio de bens











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Célia Martins dos Santos   13.01.17 08h49
Absurdo! Precisa de prova maior? Subestimar a inteligência do cidadão natogrossence hem!? O senhor procurador oo amor de Deus!?

Responder

2
0
Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo  12.01.17 16h40
POXA!!!!!Com todas as provas denunciadas(cabais, escritas,faladas) pela mídia, com valores etc e etc inclusive "VIROU MANCHETE" no Jornal Nacional, vem o Procurador falando em inocência!!!!. É subestimar a inteligência do povo brasileiro.

Responder

3
3

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER