20.02.2020 | 15h40


PODERES / 20 ANOS DE CRIME

Desembargador homologa delação bombástica do ex-deputado José Riva

Decisão é monocrática e foi tomada na tarde desta quinta-feira



O desembargador Marcos Machado, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), homologou a delação do ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL-MT), José Geraldo Riva. A decisão monacrática é desta quinta-feira (20).

A delação premiada revela casos de corrupção envolvendo a AL e outros poderes ao longo de 20 anos (1995 a 2015).

Conforme noticiado pelo , os bens de Riva e da família já foram apresentados ao Ministério Público (MPMT) para garantir o ressarcimento aos cofres públicos. Na semana passada, Judiciário, advogados, MP e José Riva passaram por audiência de ratificação para discutir termos da delação.

Leia mais: Bens de Riva são apresentados para garantir delação premiada

Riva passa por audiência com desembargador e membros do MP; acordo segue para homologação

A delação de José Riva promete expor 20 anos de crimes no Legislativo estadual e em outros setores do Estado. Especula-se que, com a proposta, o colaborador busca ressarcir R$ 50 milhões aos cofres públicos.

Décadas de corrupção

No mês de outubro de 2019, um documento de 105 páginas detalhando os esquemas em parte, que foi direcionado ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), vazou na imprensa com o título ‘Proposta de Colaboração Premiada’.

O ex-deputado, à época, chegou a negar a validade do documento afirmando que não tinha assinado.

A proposta de colaboração premiada traz, resumidamente, crimes de corrupção cometidos por 38 deputados ao longo dos anos de 1995 a 2015.

Um dos pontos que mais chama atenção no documento é o fato de um dos esquemas de corrupção ter se iniciado ainda no governo Dante de Oliveira, passando pelas gestões dos ex-governadores Blairo Maggi e Silval Barbosa, onde deputados e ex-parlamentares teriam recebido o montante de R$ 175,7 milhões.

Conforme noticiou o  a delação pode apontar que 38 deputados receberam propina em 20 anos; veja nomes.

O dinheiro, pago mensalmente, seria uma ‘garantia da governabilidade’ do Estado junto à Assembleia Legislativa.

 

*Atualizada às 15h53

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Justiceiro  21.02.20 01h35
ATENÇÃO RONDONÓPOLIS CUIDADO COM O CANALHA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS DE RONDONÓPOLIS-MT O TAL DO ENGENHEIRO PASTOR LADRÃO SEBASTIÃO MACHADO REZENDE CORRUPTO FORAM MAISNDE R$ 7 MILHÕES E NEGA VEEMENTE SOBRE ESSE FATO TEM QUE IR PRESO ESSE VAGABUNDO ELE E A CORJA DELE

Responder

2
0
Fenix  20.02.20 22h18
Sou contra a delação premiada. Ao.meu ver deveria fazer uma análose na vida do individuo, qual seja, antes do ingresso ao serviço publico, pois é sabido que cada sercidor declara seus bens o estado. Com isso tudo quanto a familia do individuo tiver alem do declarado deve ser devolvido aos cofres publicos e o corrupto devera sofrer um ostracismo que jamais podera contratar pu trabalhar para a maquina estatal, seja em qualquer esfera. Nao esquecendo que devera ser investogado a fundo todos os andamentos da vida do imdividuo bem como de todas as pessoas proximas. AFORA ESSA DELACAO É UMA FORMA DE PROTEGER OS CORRUPTOS QUE VEM E CONTA HISTORIA PRA BOI DORMIR, DEVOLVE UMA MERRECA AOS COFRES PUBLICOS E DEPOIS FICA NADANDO EM DINHEIRO QUE É DA NACAO BRASILEIRA.

Responder

1
2
Tico Tico na Sala  20.02.20 16h00
VISHiiiiiiiiiiiiii.........................prepara a ratoeira....

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO