17.08.2017 | 18h26


EM MATO GROSSO

De cada R$ 100 arrecadados em MT, R$ 60 são gastos com salários de servidores

Na média, o avanço real, já descontada a inflação, foi de 23,7% de 2010 a 2016. Esse aumento no gasto com a folha foi liderado por Mato Grosso, Minas Gerais e Rio de Janeiro



Mato Grosso está entre os nove Estados que ultrapassaram a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em relação ao gasto com pessoal, em 2016, conforme apontamento do Tesouro Nacional. O limite da LRF para gastos com funcionários públicos é de 60%.

Isso significa que de cada R$ 100 que o Estado arrecada, R$ 60 são gastos para pagar as despesas com funcionários, aposentados e pensionistas.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo, que mostraram que apesar dos cálculos do Estado considerarem o índice de 55% de gastos com o funcionalismo público, o Tesouro Nacional apontou que, na verdade, as despesas foram de 60,66%.

Além de Mato Grosso, também estão na lista Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Goiás e Rio Grande do Norte, que destinaram mais do que 60% ao pagamento de sua folha no ano passado.

O recordista é Minas Gerais, com 78,76% de sua Receita Corrente Líquida comprometida com pessoal. Uma situação altamente alarmante e que sufoca a capacidade de o governo estadual oferecer os serviços essenciais que são de sua responsabilidade, como educação e policiamento.

A publicação destaca ainda que apesar dos esforços dos Estados para conter os gastos com servidores ativos no último ano, essa despesa têm tido crescimento acelerado nos últimos anos.

Na média, o avanço real, já descontada a inflação, foi de 23,7% de 2010 a 2016. Esse aumento no gasto com a folha foi liderado por Mato Grosso, Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde essas despesas cresceram mais de 40% acima da inflação no mesmo período.

Embora usem uma contabilidade diferente, os Estados referendaram os cálculos do Tesouro. A União faz um acompanhamento anual das contas estaduais para a renegociação de dívida. E, dentro desse programa de acompanhamento, os Estados admitiram que existem diferenças nas informações.

RpMT/Tesouro Nacional

grafico tesouro 2.jpg

Relação entre a despesa com pessoal e a receita corrente líquida do exercício de 2016.

 

 

RpMT/Tesouro Nacional

grafico tesouro.jpg

Comparativo despesa com pessoal - todos os poderes - Relatórios de Gestão Fiscal (RGF) x Programas de Reestruturação de Ajuste Fiscal (PAF)











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Roberto Silva de A. Carvalho  19.08.17 12h05
Claro todo dia o Estado nomeia nos cargos de confiança de valor acima de R$ 5.000,00 que é DGA 4 cargo de confiança.

Responder

2
0
Willian  17.08.17 22h54
Nosso Estado é um dos que melhor paga Delegado e Defensor Público no país (até porque há vários parentes de políticos). Também, dentro dos pensionistas, estão ex-governadores, mesmo aqueles que governaram por apenas alguns meses. Então, não venham dizer, que a plebe trabalhadora (policiais, professores, funcionários da saúde e etc) é que é responsável por isso. Nessas horas, muitos ignorantes, vem meter o p... nos simples funcionários.

Responder

13
1

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER