21.12.2011 | 09h06


WILSON CARLOS FUÁ

Natal e os presentes



Presentear é um ato especialmente  emocionante, desde a dúvida da escolha do presente ideal até a incerteza se a pessoa que vai receber irá gostar. Dar ou receber um presente é muito bom, faz bem ao espírito de quem dá e de quem recebe.

Quando um presente é muito valorizado, tem um valor monetário muito alto, pode melindrar ou humilhar uma pessoa, ou mesmo terminar com uma relação que é de igualdade e de amor.  Um presente pode  estabelecer uma diferença social numa relação. O poder do dinheiro pode promover a separação ou estabelecer a existência das  diferenças, e a partir daí  pode não existir compreensão e entrega.  Isso acontece em nosso cotidiano, às vezes pensamos que estamos sendo presenteados, mas no fundo estamos sendo comprados. Quantas vezes as diferenças sociais romperam a compreensão de igualdade que unia as pessoas antes de existir os interesses. Às vezes em nosso dia-a-dia, encontramos pessoas que nos levam a caminhos nunca imaginados, e nessas idas e vindas da vida, encontramos com pessoas de todas as matizes.

Quanto mais dependemos materialmente das pessoas, mais afastamos das nossas amizades desinteressadas que usam a consciência como guia do acompanhamento do envoltório espiritual.

Os seres humanos acima da amizade gostam de relações de poder e tem necessidade de se estabelecer e proporcionar atos que criam dependentes. É uma característica da raça humana, existem interesses que levam as pessoas exercer sempre  a vaidade do poder dominador, e isso fica bem caracterizado no valor dos presentes como forma de impor o poder do dinheiro.

Quantas pessoas sofisma em não fazer parte de um presente recebido, não vêem naquele presente qualquer significância com o seu modo de vida, super avalia a concepção material, conclui que dentro daquele pacote está contido muito sentimento de vaidade e arrogância que com certeza promoverá a separação e estabelecendo diferenças sociais irremediáveis, pois a reciprocidade depende do poder econômico das pessoas envolvidas no relacionamento. Mas, ao dar um presente na verdade, é igual promover as compensações sentimentais, assegurando laços de amor e de amizade, ou até que passem a existir as diferença culturais, educacionais  e financeiras.

Hoje já banalizaram o ato de presentear, virou um ato apenas comercial, a sociedade de consumo foi criando datas para aumentar as vendas: dia das mães; dia dos pais; dia das crianças; e assim vai.  Para o comércio seria bom se durante os 365 dias fosse institucionalizado, dia-a-dia, para cada grupo de pessoas a serem presenteadas, mas o dia mais importante para se dar ou receber presentes é o dia de Natal  e o dia do nosso aniversário.

Natal é  a época de confraternização dos povos, época de dar e receber presentes, historicamente vindo da tradição trazida nas figuras dos Reis Magos, cada presente tinha  um significado diferente:

O incenso representava a fé, eram oferecidos aos Sacerdotes;
o Ouro representava a nobreza  e eram oferecidos aos Reis;
já a Mirra representava o Perfume e o Sacrifício era oferecido aos Profetas.

O importante de toda essa história é que a figura dos três Reis Magos tinha a representatividade dos povos de todas as cores e de todas as nações, sendo:

Baltazar representava do rei da Arábia, cor negra;
Melchior representava o rei da Pérsia, cor clara;
Gaspar representava rei da Índia, cor amarela.

O grande significado do presente acima do valor material,  é o valor espiritual, porque  apesar dos três Reis Magos  representarem o poder dos Reis, ao concluir suas missões demonstraram toda humildade do mundo curvando-se  diante de um menino pobre que nasceu na estrebaria junto aos animais.  Esse ato mostra a todos nós que o presente serve acima de tudo para demonstrarmos os nossos sentimentos, independente de etnia ou classe social, o presente é um ato para celebrar a amizade e o amor ao próximo.

O presente fortifica um relacionamento. Oferecer presentes materiais, em algumas situações do relacionamento humano é mais importante do que o próprio presente recebido. Para dignificar o sentimento de relacionamento de amizade e gratidão, ao darmos um presente, acima de tudo é importante nos colocarmos na obrigatoriedade essencial em saber oferecer a nós próprios em forma de presente, é como se você passasse a se materializar dentro do seu próprio presente, pois este  ficará marcado para sempre, do começo ao fim de um relacionamento, ou eternizado em um ato de amor ao próximo.

Feliz Natal.

Economista Wilson Carlos Fuá – É Especialista em Administração Financeira e Recursos Humanos - Fale com o Autor:  fuacba@hotmail.com

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
25.08.19 07h55 »  Quando a esmola é grande
25.08.19 07h55 »  Uma vela para William
25.08.19 07h55 »  Sancione capitão, sancione!
25.08.19 07h55 »  Tônus divino da maternidade
24.08.19 17h40 »  Macron, vá se ferrar; Sua casa é o cacete, talkey!
24.08.19 07h55 »  'Oração ao Tempo'
24.08.19 07h55 »  Sequestro da inteligência
24.08.19 07h55 »  Visão geoantropocêntrica
24.08.19 07h55 »  Incentivos fiscais
23.08.19 07h55 »  Os eternos donos do poder

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER