09.04.2012 | 08h49


OPINIÃO / GUILHERME MALUF

Cuiabá: igual a ti não há...



Trago comigo, guardado em meu inconsciente, uma mistura de sons, cheiros, gostos e cores de minha infância cuiabana que lhes ofereço agora: o cheiro doce e amarelo da bocaiuva; a cor gostosa da leve brisa matinal da praça da República; o barulho rápido e alegre de peras saltando na praia do Sayonara; o odor azul-acinzentado de peixe ecoando pelo Mercado do Peixe (Museu do Rio); a cor adocicada e ocre de leite queimado na escola Modelo Barão de Melgaço (Palácio da Instrução). E é por isso e muito mais que, minha Cuiabá, igual a ti não há...

Sei que ficaste, em pouquíssimo tempo, muito diferente do que eras. Cresceste e no rastro do crescimento vieram os problemas de uma cidade sem planejamento e gestão adequados. Tuas ruas não cabem mais os carros; teus rios agonizam e morrem lentamente; teus casarões ruem, um a um, em teu coração; tua gente se espreme dentro de ônibus sem ar-condicionado; tuas crianças sonham com um ensino diferenciado e inclusivo; tuas futuras mães esperam poder conceber sem riscos ou medos; teus idosos só desejam andar pelas ruas em segurança. Mas apesar de tudo isso; igual a ti não há...

Sei também que existem soluções para os teus problemas e de tua gente. Porém, é preciso que se mude o jeito de pensar-te. Até hoje, nenhuma gestão foi diferenciada. Entra prefeito e sai prefeito, em que pese as boas intenções,  os teus problemas são os mesmos e maiores, infelizmente. Por isso mesmos é preciso olhar-te com outros olhos: os atos do executivo precisam ser transparentes e podemos fazer isso usando a tecnologia disponível, como a internet e as redes sociais. Outra atitude necessária é a democratização das decisões. Explico melhor, a elaboração de um orçamento participativo de verdade e o compartilhamento da gestão com a sociedade civil organizada. E, finalmente, modernização da gestão com medidas que respeitem os princípios da territorialidade, da transparência e da transversalidade das ações através de projetos e não mais esse modelo arcaico das secretarias isoladas e ineficientes. Entretanto,  essa mudança radical precisa partir de você, cidadão cuiabano.

Tu bem sabes que não é fácil chegar na tua idade e ver nossa gente “falando pro lado e olhando pro chão”. Dá-me uma saudade imensa do tempo que enchíamos a boca pra falar de ti. Eras, para o Brasil, quase a mítica Macondo, de Marquez, só que encravada no coração do país. Por isso, trouxe-te uns presentes para teu aniversário e para todos os outros dias teus, embora singelos e brejeiros, vieram da alma: um tanto de coragem para que mudes o deve ser mudado; uma dose do orgulho cuiabano para que possas voltar a ter a cabeça erguida; um naco de hospitalidade para que recebas a todos com aquele doce sorriso que tantas vezes vi em minha infância; e um pedaço de minhas lembranças para que teu povo posso sempre dizer “Cuiabá: igual a ti não há...”

*Guilherme Maluf é médico e deputado estadual de Cuiabá

A redação do RepórterMT não se responsabiliza pelos artigos e conceitos assinados, aos quais representam a opinião pessoal do autor.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
27.05.20 07h41 »  Caso fortuito ou força maior e Covid-19
27.05.20 07h39 »  Pandemia
27.05.20 07h35 »  A reparação de danos ambientais
27.05.20 07h34 »  OAB
26.05.20 09h30 »  Sua imagem é positiva ou tóxica?
26.05.20 07h55 »  Onde se aprende o racismo?
26.05.20 07h52 »  A transição de advogado a desembargador
26.05.20 07h50 »  A praça e a democracia
26.05.20 07h48 »  Mitos de mãos dadas e caras viradas
25.05.20 07h27 »  Quarentena

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO