12.07.2016 | 17h30


GERAL / "QUEDA DE BRAÇO"

Servidores rejeitam propostas do Estado e mantêm greve na Educação por mais uma semana

Professores e demais trabalhadores do ensino básico aceitaram somente uma das três propostas apresentadas pela Seduc e esperam novas negociações.


DA REDAÇÃO

A greve dos profissionais da Educação básica está mantida por, pelo menos, mais uma semana, adentrando no período que estava programado para ocorrer as férias escolares. A decisão foi tomada pela categoria agora há pouco, durante a assembleia geral.

Das três propostas encaminhadas pela Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), somente o cronograma de concurso público foi aprovado por unanimidade.

Das três propostas encaminhadas pela Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), somente o cronograma de concurso público foi aprovado por unanimidade, porém, com a ressalva de que o Estado precisa apresentar o número de vagas livres, que tratam dos profissionais contratados que ocupam cargo de 30 horas.

De acordo com o cronograma proposto pela Seduc, o número de vagas e critérios de seleção serão definidos em 30 dias. O lançamento do edital está previsto para dezembro deste ano e a realização das provas em fevereiro de 2017, homologação do resultado em abril, nomeação dos aprovados em maio e início das atividades no segundo semestre do ano que vem. 

A previsão de um acordo e do fim da greve fica somente para a próxima terça-feira (19), quando haverá uma nova assembleia geral, levando em conta que até lá, já terão ocorrido novas negociações entre as partes.

No que tange às parcerias público-privadas em escolas estaduais, o Sindicato dos Profissionais no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) não se contentou com a suspensão parcial do edital publicado pela MT PAR e exige que o mesmo seja totalmente suspenso até que se realizem conferências públicas para debater o modelo de escola pública com a sociedade.

O terceiro ponto de reivindicação, que é a dobra do poder de compra dos trabalhadores, também não foi contemplada na avaliação do Sintep. Os servidores exigem que o governo cumpra a Lei 510/2013, que estipula a reestruturação dos subsídios dos servidores e estipula o dia 1º de maio de 2016 como o prazo para que o governo conceda 7% de realinhamento salarial à categoria.

Nesta quarta-feira (13), o Sintep vai protocolar junto à Seduc o resultado da assembleia e espera que o secretário Marco Marrafon apresente novas propostas de acordo com as exigências dos servidores. Na sexta-feira (15), os grevistas realizarão um protesto em frente ao prédio da secretaria, onde já estão acampados há cerca de uma semana.

A previsão de um acordo e do fim da greve fica somente para a próxima terça-feira (19), quando haverá uma nova assembleia geral, levando em conta que até lá, já terão ocorrido novas negociações entre as partes. 

Leia também:

Greve na Educação continua até a próxima semana, apesar de proposta da Seduc 

Somente servidores da Educação e Unemat permanecem na greve











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

ana de campos  13.07.16 09h04
PEDRO TAQUES, o Governador QUE ORGULHA Mato Grosso! PEDRO TAQUES, o Político A SERVIÇO DO CIDADÃO/SERVIDOR DE BEM! ATENÇÃO! COBREM DAQUELES QUE PERMANECEM PRESOS.

Responder

3
2
ana de campos  12.07.16 19h48
PEDRO TAQUES, o Governador QUE ORGULHA Mato Grosso! PEDRO TAQUES, o Político A SERVIÇO DO CIDADÃO/SERVIDOR DE BEM! ATENÇÃO! COBREM DAQUELES QUE PERMANECEM PRESOS.

Responder

3
1
ana de campos  12.07.16 19h47
PEDRO TAQUES, o Governador QUE ORGULHA Mato Grosso! PEDRO TAQUES, o Político A SERVIÇO DO CIDADÃO/SERVIDOR DE BEM! ATENÇÃO! COBREM DAQUELES QUE PERMANECEM PRESOS.

Responder

3
1

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO