23.02.2020 | 08h13


GERAL / TRÁFICO HUMANO

MT registra 45 casos que vão da exploração sexual a tráfico de órgãos

No carnaval há aglomeração nos grandes eventos, as vítimas ficam mais vulneráveis e são aí que elas são aliciadas



Mato Grosso registrou 45 casos de pessoas que foram vítimas de tráfico humano nos últimos 2 anos.  Devido aos altos índices, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e o Comitê Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Cetrap) iniciaram uma campanha de alerta e orientação para a população sobre este tipo de crime.

Um vídeo feito pela Coordenadoria de Comunicação do TJ é veiculado em telões no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, durante o carnaval.

Segundo a juíza da 9ª Vara Criminal de Cuiabá, Renata do Carmo Evaristo Parreira, há muita incidência desse tipo de crime no Estado. “Nos últimos dois anos existiram 45 pessoas vítimas do tráfico nas diversas formas, como exploração do trabalho, casamento servil, exploração sexual, adoção ilegal, trabalho escravo, tráfico de órgãos”.

Para chamar a atenção e alertar sobre essa realidade existente no Estado, a Cetrap vai desenvolver algumas ações, como as panfletagens, já que nesse momento de festa que é o carnaval, há aglomeração de pessoas nos grandes eventos, ficando mais vulneráveis e são aí que elas são aliciadas. Os trabalhos começaram já na sexta-feira, com panfletagens no aeroporto.

A coordenadora do Cetrap, Dulce Regina Amorim reitera que o tráfico de pessoas existe e diz que é difícil identificar o perfil da pessoa que comete esse tipo de crime. Mas ela faz alerta para que as pessoas fiquem atentas a propostas de emprego com alguém que acabou de conhecer e promete salários altíssimos. “A oferta de oportunidade para ser modelo ou jogador de futebol, com salários elevados, nesses tempos difíceis que estamos vivendo, precisa de atenção. Usam da fragilidade das pessoas para tirar proveito e oferecer emprego que não existe”, afirma.

Com o slogan ‘Não deixe que seu sonho vire uma armadilha’, o Cetrap trabalha para que as pessoas fiquem atentas a tipos de aliciamentos que possam levar ao tráfico de pessoas. “Nessa fragilidade de sonhar as pessoas caem na armadilha do tráfico”, completa.

Denúncias sobre tráfico de pessoas podem ser feitas pelo Disque 100.

O vídeo será exibido 24 horas por dia, durante 15 dias, em telões em pontos estratégicos, como no saguão e interior das salas de embarque, saguão, mostrando os tipos existentes de tráfico de pessoas e, principalmente, que ele existe.

Parceria firmada com órgãos públicos permitirá que o vídeo seja veiculado nesses locais.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO