11.11.2019 | 16h32


APÓS DENÚNCIA DO REPÓRTERMT

Mais dois ‘clientes’ acusam advogado de VG de embolsar indenizações; prejuízo chega a R$ 44 mil

Supostas vítimas acusam Edgar Ferreira Sousa de não repassar R$ 20 mil recebidos em processos contra bancos e operadoras de telefonia. Ele nega.


DA REDAÇÃO

A jovem Pamella Pleffken, 25 anos, e o vigilante Mauro Sebastião, 40 anos, também denunciaram ao terem sido vítimas do advogado Edgar Ferreira Sousa, de Várzea Grande, que é acusado de ‘embolsar’ o dinheiro de indenizações de seus clientes. Agora são quatro vítimas identificadas pela reportagem, somando prejuízo total de R$ 44,1 mil.

Pamella estava gestante à época do golpe, em 2016. Ela conta que o advogado pegou três ações dela contra os bancos Bradesco, Santander e a Claro telefonia.

“Ele ganhou duas indenizações do Bradesco no valor de 14 mil. Fui numa universidade tirar cópias do processo e apareceram os alvarás dos depósitos que fizeram para ele. Mas ele disse que não havia saído nada, que apenas tinham limpado meu nome”, disse. 

Pamella afirma que após descobrir a fraude, ele a chamou no escritório para assinar documentos comprovando o pagamento das indenizações, mas só lhe deu R$ 500. A vítima conta ainda que só aceitou o dinheiro pelo fato de estar com uma gravidez de risco e sem dinheiro.

RepórterMT

Edgar Ferreira sousa

Advogado mandava vítimas assinar recibo em branco.

“Ele me fez assinar três papeis em branco e eu na inocência, confiando no trabalho dele, assinei. Quando fui atrás dos valores ele disse que já tinha acertado comigo, que já havíamos acertado tudo. De R$ 14 mil ele me deu R$ 500 e disse que estava certo. O denunciei, fiz um boletim de ocorrência e fui lá na OAB”, afirma Pamella ao .

Outra vítima do golpe foi o vigilante Mauro Sebastião. Ele também descobriu ter ganho uma indenização contra a Claro por conta própria e não recebeu os R$ 5.700,00 da ação que limpou seu nome.

“Ele disse que já estava na conta, mas que precisava que eu assinasse alguns papeis ‘caso eu entrasse com processo contra ele dizendo que não foi pago’. Assinei confiando e ele coletou a minha digital. Mandou ir ao banco que já estava liberado e fui até lá, mas não tinha transferido”, disse Sebastião, em relação ao golpe que também sofreu em 2018.

 

Em todos os casos denunciados, as vítimas afirmam que o advogado insinua e faz as vítimas assinarem documentos em branco, onde ele tem total autonomia para preencher qualquer valor.

Na última sexta-feira, o já havia denunciado que um casal teve prejuízo de R$ 24.400,00 do advogado.

Lucas José gravou um vídeo onde é tratado de maneira ríspida por Edgar Sousa.

“O senhor estava com o nome sujo e eu limpei. Sou um cara ruim agora? Você está com condição mercadológica! Limpei o seu nome através de um processo. Sou um anjo da guarda, nada mais do que isso”, diz o advogado.

Veja o vídeo

 

Outro lado

Procurado, Edgar afirmou que as denúncias são falsas e que tem todos os recibos que comprovam o pagamento das indenizações às vítimas, porém, não apresentou tais documentos. Edgar ainda, em tom intimidador, insinuou processar o  caso publicasse a reportagem.

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), disse que processos disciplinares são sigilosos e por isso não divulgará se há alguma ação em andamento contra Edgar. 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Rodrigo  11.11.19 18h52
Golpe do golpe.. Devedores se fingindo de pobres inocentes, quando certamente pegaram empréstimos nesses dois bancos e fizeram débitos com a operadora de telefone e o advogado bom de petição que ganhou a ação por conta da desorganização das empresas em guardar arquivos antigos. A primeira pergunta a ser feita aí é se esses clientes deviam de fato a empresa ou não.. Querem ir na mídia cobrar honestidade do advogado se são desonestos com quem devem.

Responder

7
32

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO