05.07.2020 | 07h50


GERAL / 2 ANOS SEM LILIAN CALIXTO

Família espera condenação e se indigna com Dr. Bumbum candidato

Em liberdade provisória, médico acusado pela morte de bancária cuiabana está levando vida ‘comum’ no Rio de Janeiro, onde pretende entrar na política e se candidatar a vereador pela cidade.


DA REDAÇÃO

Quase dois anos após a morte da bancária cuiabana Lilian Calixto, 46 anos, que teve complicações durante um procedimento estético nos glúteos ministrado pelo cirurgião Dênis Cesar Barros Furtado, mais conhecido como ‘Doutor Bumbum’, dentro de um apartamento na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, a família ainda aguarda Justiça e a condenação do médico no Tribunal do Júri e demonstra indignação pela suposta candidatura a vereador do acusado.

“A família espera a condenação dele [Dênis] como Justiça, embora isso não traga a Lilian de volta, nada tira a dor da perda, nada resolve o que a gente sente, mas para a família seria um alento, entende?”, disse Diná, irmã da bancária ao .

De acordo com a família da vítima, o processo neste momento está parado aguardando o retorno dos trabalhos do Judiciário, já que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) suspendeu todos os prazos dos processos físicos devido à pandemia do novo coronavírus.

Lilian

Cuiabana Lilian Calixto morreu após procedimento estético em julho de 2018.

A irmã de Lilian, explicou que o processo é muito complexo e volumoso, e que embora esteja parado agora, até o momento estava caminhando e seguindo o curso normal “[...]pois, praticamente já finalizaram as oitivas (depoimentos) das testemunhas, o próximo passo vai para o Juiz para dar a sentença de pronúncia”.

A sentença de pronúncia é o que a família de Lilian aguarda, pois, é o momento em que o juiz do caso deve se ‘pronunciar’ apontando que há indícios de um crime doloso, quando há intenção de matar ou quando se assume o risco para tal, a partir do momento em que o ‘Doutor Bumbum’ submeteu a paciente a uma cirurgia em lugar inapropriado e em condições que podem ter levado às complicações, sem recursos imediatos de socorro colocando a vida da cuiabana em risco.

Caso o magistrado se pronuncie, e por se tratar de um crime doloso contra a vida, o processo será julgado por um júri e não por um juiz sozinho, que é o desejo da família da vítima.

“Soubemos das notícias de que ele (Dênis) seria candidato a vereador. Infelizmente a nossa Justiça abre brechas", disse a irmã da vítima.

“Agora a esperamos que o acusado venha ser pronunciado e futuramente vá ao Tribunal do Júri, essa é a esperança da família”, falou a irmã de Lilian.

No entanto, essa resposta os familiares só terão com a volta dos trabalhos da Justiça, quando o juiz poderá se pronunciar, ou ainda, despachar para algum novo esclarecimento do Instituto Médico Legal (IML), da perícia e ainda de alguma nova testemunha, caso ache necessário.

Há de levar em consideração de que no início do ano de 2019 a defesa de Dênis juntou ao processo um novo laudo, feito de forma particular e unilateral, o qual aponta que a morte de Lilian foi devido a um “infarto agudo do miocárdico”, que não teria relação com a aplicação de PMMA (material de preenchimento, tipo um silicone) na bancária.

Esse laudo contradiz o laudo oficial do Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro, que constatou embolia pulmonar causado pelo PMMA, que teria interrompido o fluxo sanguíneo do pulmão.

“A defesa do Dênis fez uma perícia unilateral, e realmente ele juntou ao processo esse laudo de que a morte da Lilian foi por um infarto agudo do miocárdio, porém, que não desconfigura um documento oficial, que é o laudo do IML. E obviamente que na defesa dele ele pode juntar os documentos que achar necessário e tudo será analisado pelo Juiz no momento adequado”, ressaltou Diná.

A família ainda falou sobre a possibilidade de Denis Furtado, mesmo respondendo a esse e outros processos, anunciar suposta candidatura a vereador pela cidade do Rio de Janeiro nas eleições 2020.

Agência Brasil

denis furtado doutor bumbum

Doutor Bumbum foi preso no mês da morte de Lilian e solto no dia 30 de janeiro de 2019, por habeas corpus.

“Soubemos das notícias de que ele (Dênis) seria candidato a vereador. Infelizmente a nossa Justiça abre brechas, e uma das brechas é que enquanto não houver um trânsito em julgado (quando termina as possibilidades de recursos) a pessoa não é considerada culpada. O acusado faz toda a atrocidade, acabou com a vida de uma inocente, acabou com a nossa vida, processo em trâmite, só que tudo isso perante a lei não quer dizer que ele é culpado, dando direito dele se candidatar”, desabafou Diná.

Relembre o caso

Lilian Calixto foi submetida ao procedimento para aplicação de PMMA (polimetilmetacrilato), um polímero, ou fibra sintética, em forma de gel, usada para preenchimento de partes do corpo. A bioplastia realizada pelo médico Denis Furtado foi feita no apartamento dele, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Lilian passou pelo procedimento o dia 14 de julho de 2018. Ela passou mal horas depois e teria sido levada por Dênis Furtado para atendimento em um hospital na madrugada do dia 15, onde ficou por pouquíssimo tempo acompanhando a paciente, que chegou em estado extremamente grave. A bancária morreu após sofrer embolia pulmonar, causa da morte constatada pelo IML.

Doutor Bumbum foi preso no mês da morte de Lilian e solto no dia 30 de janeiro de 2019, por habeas corpus.

Também são réus no processo a médica com registro cassado e mãe do Dr. Bumbum, Maria de Fátima Barros Furtado, a técnica de enfermagem Rosilane Pereira da Silva e a secretária Renata Fernandes. Atualmente nenhum dos acusados está preso.

Leia mais:

Cuiabana pagou R$ 20 mil e por aumento de bumbum; morreu em seguida

Conselho Federal confirma cassação de registro profissional do Dr.Bumbum

Dr Bumbum e mais três acusados vão depor sobre morte de cuiabana

Doutor Bumbum 'culpa' colegas por morte da cuiabana Lilian Calixto











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Benedito costa  05.07.20 08h02
Só tem um único jeito de resolver isso!

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO