27.05.2020 | 16h25


GERAL / MERENDA ESCOLAR

Comissão rejeita peixe na merenda escolar, mas aceita carne de porco e vira alvo de críticas



A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa foi alvo de críticas dos deputados durante a sessão desta quarta-feira (27). Os parlamentares acusaram os membros da CCJR de emitirem diferentes pareces para projeto da mesma natureza.

O deputado Thiago Silva (MDB) reclamou que seu projeto, que visa acrescentar o peixe na merenda escolar, foi declarado inconstitucional pela comissão, no entanto, foi aprovada a proposta do presidente da CCJR, Dilma Dal Bosco (DEM), que acrescentava a carne suína à lista.

“Vejo com muita insatisfação, eu acho que a comissão não pode ter um peso e duas medidas, infelizmente está acontecendo isso. Exemplo disso é que eu apresentei um projeto para incluir o peixe na merenda escolar e acabei de receber um ofício no meu gabinete dizendo que o projeto recebeu parecer contrário. Assim como o peixe, a carne suína eu acho interessante. Espero que esse da carne suína, assim como o meu, receba um oficio falando que é inconstitucional”, disse o emedebista.

Depois, o deputado Wilson Santos (PSDB) engrossou as críticas ao dizer que a comissão esta se expondo por seguir critérios políticos.

Elizeu Nascimento (DC) sugeriu a troca dos membros da CCJR, principalmente do presidente que, segundo ele, representa os interesses do governo. “É muito ruim vir ao plenário pra falar, mas acontece a discriminação de projeto a benéficos de outros”.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), ressaltou que a escolha dos membros da comissão é feita pelos líderes de blocos e que ele não tem prerrogativa para alterar a composição.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO