16.03.2019 | 07h00


COTA PARA NEGROS

Brancos que burlaram perdem vaga na UFMT; Japonesa se disse negra

De acordo com relatório da Universidade Federal de Mato Grosso, 59 alunos que haviam se matriculado no sistema de cotas para negros não possuíam os fenótipos de negros, pardos ou indígenas.


DA REDAÇÃO

A Supervisão de Registro Escolar da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) publicou o resultado definitivo dos estudantes inelegidos, que ingressaram nos cinco campus da instituição de maneira indevida, usando cotas destinadas para negros, pardos, indígenas e estudantes de escolas públicas.

Dos 125 estudantes que tentaram reverter a perda da matrícula, 59 tiveram pedido indeferido pela UFMT, que entendeu que eles não possuíam os fenótipos (cor e características físicas) de negros, pardos ou indígenas. A decisão é do último dia 7 de março e não cabe mais recurso dentro da esfera administrativa da universidade.

A fiscalização ocorreu depois que o ativista do movimento negro Vinicius Brasilino denunciou a suposta fraude nas redes sociais, no início de janeiro.

Dos seis estudantes apontados por ele, cinco foram considerados inelegidos: Heloísa Malta de Oliveira, Sayuri de Souza Yamura, Gabrielly Mendes Mendanha, Samuel Felipe Netzlaff e Matheus Delanhesi Pereira.

Heloísa e Sayuri chegaram a ingressar com recurso para tentar reverter a situação. Mas elas tiveram o pedido indeferido em definitivo. Já os nomes de Grabrielly, Samuel e Matheus não constam na lista de análise dos recursos do setor de Supervisão Escolar. Todos tentaram ingressar no campus de Cuiabá, através das cotas raciais e sociais. 

O caso também é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF), que no mês passado abriu um procedimento chamado de “Notícia de Fato”, que foi encaminhado “para o Ofício de Cidadania, onde a denúncia será apurada”. O procedimento é o primeiro passo antes de abrir inquérito para investigar mais afundo o caso.

Análise dos recursos

O maior número de recursos se concentra no campus da Capital: 76 ao todo. Desses, 48 foram deferidos e 28 indeferidos.

Já o campus de Sinop aparece na lista com o maior número de indeferidos, proporcionalmente. Dos 11 estudantes que tentaram reverter a situação, 10 tiveram o pedido negado e apenas um conseguiu comprovar que se encaixava no perfil estabelecido pelo programa de cotas.

No campus de Rondonópolis, 22 estudantes entraram com recurso, desses 15 foram indeferidos e 7 deferidos.

Em Várzea Grande houve cinco pedidos de reavaliação, com três deferimentos e dois indeferimentos.

Já no campus Araguaia houve 11 recursos, sendo que sete foram deferidos e quatro indeferidos. 

Na primeira lista divulgada pela UFMT em 18 de fevereiro, 230 estudantes, nos quatro campus da faculdade, tiveram o ingresso barrado na instituição pelo uso indevido das cotas. Desses, 125 tentaram reverter a situação. Os outros 105 optaram por não ingressar com o recurso.


Veja a lista na íntegra

Leia mais

Nove estudantes brancos teriam usado cotas para negros para ingressar na UFMT

MPF apura fraude na UFMT; Aluna branca e asiática se matriculou em Medicina

 

 











(5) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Clarice   17.03.19 17h07
O que eu me pergunto quem fez está matrícula não viu isto!E todos estes anos só terão 230 alunos? Cadê a fiscalização da Universidade!Fingiu que não viu nada!O certo é acabar com cotas e dar ensino de qualidade!!

Responder

8
3
Maurílio maikuma monari   16.03.19 19h32
sou indígena e moro na aldeia não fui selecionado no campus de Rondonópolis não sei porque .através de sisu.

Responder

5
2
Eduardo  16.03.19 17h03
A japonesa ainda tentou entrar com recurso kkkkkkkkkkkk, oriental negro socorro

Responder

13
0
ana  16.03.19 10h23
cade o nome dos outros???? porque so expor estes????

Responder

12
2
Maria Taquara   16.03.19 10h14
Sayuri deve ser tão negra quanto uma geisha!

Responder

12
3
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER