21.04.2015 | 20h48


GERAL / IMPASSE NA SAÚDE

Audiência de conciliação no TJ entre médicos e prefeitura é adiada para esta quarta-feira

Os médicos resolveram cruzar os braços, mesmo contrariando decisão judicial que torna a greve ilegal


DA REDAÇÃO

Uma audiência de conciliação entre o Sindicato dos Médicos e a Prefeitura de Cuiabá, que estava marcada para o próximo dia 17, foi adiada para 22 de abril, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

A sessão busca encontrar um acordo entre as partes para que seja encerrada a greve geral dos profissionais da Saúde, que já dura mais de uma semana na Capital. A audiência terá a presença de magistrados representantes do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos.

A categoria reivindica melhores condições de trabalho, segurança nas unidades de saúde, materiais para atendimento clínico e melhoria do piso salarial, que atualmente está firmado em R$ 1.200.

Os médicos resolveram cruzar os braços, mesmo contrariando decisão judicial que, a pedido da Procuradoria Geral de Cuiabá, já apontou a paralisação como ilegal.  O descumprimento da decisão implica ao Sindicato dos Médicos (Sindimed) multa diária de R$ 20 mil.

Eles alegam que a prefeitura está retardando a negociação. Estão sendo mantidos os atendimentos de urgência e emergência nas Policlínicas e Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Morada do Ouro.

O secretário municipal de Comunicação da prefeitura, Kleber Lima, declarou que o Palácio Alencastro vai representar criminalmente, por omissão de socorro, o Sindimed e os profissionais, individualmente, que não estiverem cumprindo a jornada, caso ocorra qualquer complicação com pacientes que procurarem a rede municipal de saúde.

“Nós vamos representar criminalmente contra o sindicato e os profissionais que deixarem de cumprir suas escalas em caso de agravamento de saúde de algum paciente, porque eles não estão apenas descumprindo uma decisão judicial. Estão descumprindo o compromisso de dar assistência aos doentes”, critica o secretário.

O secretário diz ainda que a Prefeitura não está retardando as negociações. “Isso não condiz com a verdade. A primeira verdade que eles não falam é que interromperam as negociações, entrando em greve. Quando você decreta greve, interrompe o diálogo. Então, a responsabilidade por essa situação de conflito é única e exclusiva deles”, opina Lima. 

Na visão dele, a greve causa prejuízos à população. “Com a categoria em greve, só negociamos perante à Justiça”.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO