04.05.2011 | 13h16


CIDADES

Gastos com OSS em VG superam 3 vezes investimentos no PS de Cuiabá

INARA FONSECA 12h42
DA REDAÇÃO

Dados enviados nesta manhã (03) por servidores do Pronto Socorro de Cuiabá informam que a unidade recebe entre R$ 3,5 a R$ 5 milhões por mês para administrar 250 leitos. Segundo Diário Oficial publicado em abril (19) o Instituto Pernambucano de Assistência e Saúde (IPAS) receberá aproximadamente R$ 2,5 milhões para gerir o Hospital Metropolitano de Várzea Grande. O hospital tem cerca de 72 leitos.

O valor investido pelo Estado para a contratação da empresa privada que administra o Hospital Metropolitano de Várzea Grande é de 31 milhões anuais. Mensalmente, a unidade receberá, aproximadamente, três vezes mais do que o Pronto Socorro da Capital, administrado pelo município.

A contratação da Organização Social de Saúde (OSS) tem sido apresentada pela Secretária de Saúde do Estado como a salvação dos problemas na área, entretanto, com 178 leitos a mais, o Pronto Socorro ainda terá maior demanda.

A preocupação do Sindicato dos Médicos de Mato Grosso (Sindimed-MT) é referente a relação custo x benefício.
"Pode até ser que as OSS funcionem, mas muito dinheiro está sendo investido para pouco retorno para população", ressalta Edinaldo Lemos, presidente do Sindimed.

Segundo Edinaldo, apesar dos 31 milhões destinando a contratação da OSS, o Estado alega não ter dinheiro para ampliação e contratação de mais profissionais para o PS de Cuiabá.

Além dos R$ 2,5 milhões mensais pagos para o IPAS, o Estado também repassa cerca de R$ 1,8 milhão mensalmente para o PS, para serviços de emergência. O munícipio investe no Pronto Socorro, nas policlínicas e no programa saúde da família.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO