01.05.2019 | 14h33


INSEGURANÇA PÚBLICA

MT registra 342 casos de estupro contra crianças em 3 meses

Entre estupradores estão pais, padrastos, avôs e outras pessoas da família que deveriam proteger as vítimas.


DA REDAÇÃO

Mato Grosso registrou apenas no primeiro trimestre desse ano 342 casos de estupro praticados contra menores de idade. Só a Capital obteve 52 registros desse tipo de crime.

A maior parte dos registros, ocorre dentro da própria casa e os agressores são pessoas do convívio diário, entre eles, os próprios pais, padrastos, tios e avôs ou outras pessoas da família. 

Neste ano um dos casos que mais chocou a população em Mato Grosso ocorreu em abril, quando Cleiton da Paixão Guimarães, 39 anos, confessou, em Cuiabá, ter estuprado e engravidado a própria filha de 11 anos. Ele também assumiu ter dado abortivo para a menina no quinto mês de gestação dela e jogado o feto em um rio.

À Polícia Civil ele relatou que os estupros começaram quando a menina tinha cerca de nove anos.

Outro caso de grande repercussão ocorreu em março, quando um casal foi preso por estuprar a filha adotiva de 14 anos, por mais de oito anos. Os pais adotivos ainda filmavam os estupros, como uma espécie de filme pornográfico. Segundo o inquérito, os abusos foram descobertos após a garota apresentar comportamento estranho na escola. Ela parecia com os pulsos cortados e sempre aparentava tristeza. 

Também em março, um pai denunciou à Polícia Civil em Várzea Grande que o padrasto de sua filha de oito anos havia estuprado a menina que é portadora de deficiência física.

Em fevereiro, um homem de 47 anos foi preso por estuprar a neta de apenas sete anos de idade. A criança chegou a ficar internada devido aos ferimentos. O acusado negou os fatos e depois foi liberado da cadeia.  

A psicóloga Márcia Venturini alerta que o trauma do estupro afeta tando as crianças como a família que muitas vezes deixa de denunciar os crimes.

“A família muitas vezes, quando descobre, acaba não denunciando, mas com sentimento de culpa,  por motivos como: “eu vou ser julgado”, como eu não olhei”, “vão dizer que eu não cuidei do meu filho”, comenta a psicóloga.

Segundo ela, os sinais que da criança abusada podem ser sutis.

“É muito duro isso. Nem sempre dá para observar os sinais. Algumas crianças começam a ir mal na escola, se isolam, aparentam estar mais tristes. O que pode acontecer é da criança se abrir primeiro, mas bastante tempo depois de estar sofrendo, para uma melhor amiga. Nunca se abrem no início do assédio”.

Como Denunciar:

Disk 100
Denúncias de violação de direitos de crianças ou adolescentes, especialmente em casos de abuso ou exploração sexual. A denúncia é anônima e o serviço gratuito.

Disque denúncia PM de Mato Grosso - 0800 653939

O serviço é disponibilizado, 24 horas por dia, para que o cidadão faça denúncia de todo tipo de crime de forma gratuita e  completamente anônima 

Leia Mais:

Pai começou a estuprar filha quando ela tinha 9 anos; menina engravidou

Homem estupra a própria neta de 7 anos; É preso e liberado em seguida

Menino flagra padrasto estuprando irmã de 12 anos e chama a polícia

Casal estuprava filha, filmava e depois assistia como filme pornô

Menina de 8 anos com deficiência física é estuprada pelo padrasto em VG

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER