14.04.2019 | 07h00


NEGOCIAÇÃO COM O CONGRESSO

Bolsonaro só repassa FEX para MT se bancada apoiar Reforma da Previdência, diz Wellington

Governo argumenta que só terá condições de liberar valores a partir do alívio de caixa proporcionado pela Previdência.


DA REDAÇÃO

O senador Wellington Fagundes (PR) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL)  está disposto a liberar R$ 1 bilhão do FEX [Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações] para Mato Grosso, mas condicionou o repasse em troca de apoio pela votação favorável da Reforma da Previdência.

Segundo Fagundes, o apoio foi solicitado pelo próprio Bolsonaro, em reunião na semana passada, com os prefeitos de diversas cidades brasileiras que promoveram a 22° Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.

A estratégia do Governo é que os prefeitos sejam uma espécie de ‘cabos-eleitorais’ da Reforma, no sentido de pressionar as bancadas federais de seus respectivos estados pela aprovação, principal aposta de Bolsonaro e sua equipe econômica para melhorar as finanças do país.   

“Eles pediram apoio à Reforma da Previdência. Agora nós, enquanto PR, a nossa posição é muito clara. Tem alguns pontos que a gente não abre mão", relatou Fagundes.

O senador acrescentou ainda que o argumento é que se o Congresso aprovar a medida haverá mais recursos no caixa da União para destinar aos estados e municípios brasileiros.

O senador concorda que alguma coisa precisa ser feita para cobrir o déficit da Previdência, no entanto, destacou que alguns pontos do projeto precisam de revisão.

“Eles pediram apoio à Reforma da Previdência. Agora nós, enquanto PR, a nossa posição é muito clara. Tem alguns pontos que a gente não abre mão. Não concordamos com a questão de ampliar o tempo de serviço para os professores. Outro aspecto importante é a prestação continuada: São mais de cinco milhões de brasileiros idosos, com mais de 65 anos, que não têm direito à aposentadoria e isso não está na Previdência e sim no Orçamento da União. Cortar isso, como o Governo pretende, é uma desumanidade que não podemos aceitar”, frisou Fagundes.  

Ano passado, o Governo Federal deixou de repassar cerca de R$ 500 mil do FEX para Mato Grosso devido à falta de regulamentação da Lei Kandir, que não carimba no orçamento da União a destinação desse recurso para os estados exportadores de produtos primários.

Sobre a lei, Fagundes garantiu que a bancada de Mato Grosso está trabalhando firme para regulamentar e que há um projeto, de sua relatoria, que propõe que R$ 39 bilhões em desonerações de impostos sejam repassados aos estados exportadores.

“Esse valor é realista, pois os números falam de forma muito clara. Mas devido à situação econômica, o Governo pode renegociar esse montante ou repassá-lo de forma parcelada. O fato é que a Lei Kandir é fundamental e o Brasil precisa continuar exportando”, enfatizou o senador.

Leia mais

FEX é aspirina; Estado tem rombo de R$ 150 milhões por mês

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ximenes  16.04.19 16h19
Pois é, se a reforma é tão boa para o assalariado porque precisa dessas barganhas? Desta maneira essa "reforma" etá sendo negociada e não votada livremente pelos congressistas. Ou seria essa uma justificativa de alguns parlamentares para votar a favor da coisa?

Responder

0
0
Observador  15.04.19 23h39
Só observando o grande presidente com a “nova” política!

Responder

4
0
Pois é  15.04.19 06h21
É prejuízo o Estado do Mato Grosso, que cresce 7% ano, não ser independente da República Falida do custo Brasil, ou seja, temos que pagar impostos federais para outros recebendo muito menos em troca!

Responder

4
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

GESTÃO

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora?

Excelente: MT foi destruído por governos anteriores

Bom: Está enfrentando problemss que ninguém quis enfrentar

Ruim: Não faz reformas de verdade e culpa o servidor

Péssimo: Vai conseguir ser pior que Silval e Taques

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER