25.06.2019 | 08h33


WELYDA CARVALHO

Uma nova economia

Refiro-me à Revolução Digital e a chamada economia verde e a indústria limpa

Se no Século XVIII, a poderosa Inglaterra escrevia mais um capítulo da humanidade com a Revolução Industrial para movimentar a economia e os negócios com base na transformação do minério em ferro para novas máquinas e o uso do vapor, quase 300 anos depois o capitalismo tem que se reinventar novamente para produzir bens, serviços e riquezas com a internet, uma mudança tecnológica que engatinha comercialmente e no mundo dos negócios há cerca de três décadas.

Refiro-me à Revolução Digital nos negócios. E não é só ela, a nova forma de empreender envolve ainda a chamada economia verde e a indústria limpa. Termos caros nos dias de hoje, quando milionários surgem, repentinamente, praticamente invisíveis, sem grandes propriedades, nem tesouros guardados em cofres ou um império de empresas.

Os novos milionários e bilionários estão perto de um comando digital. É como revisar séculos em que nações acumularam dinheiro com matéria-prima e depois o transformava em riquezas, fazendo pessoas enriquecerem em volta do globo. Se o famoso escritor e jornalista norte-americano dos bilionários, Napoleon Hill, vivesse hoje, ele ficaria encantado com tanta informação para escrever.

Como dizia, na lista de inovação e nichos de negócios e empreendimentos da economia podemos incluir ainda a energia fotovoltaica, os carros elétricos e toda a infraestrutura e computação necessária para esses segmentos da atividade econômica existirem. E não falo isso como algo distante e genérico. Essa nova economia está presente aqui em Mato Grosso, bem perto de nós. Isto é, cada vez mais estamos na era da informação e do conhecimento com novos produtos e serviços advindos da Revolução Digital. Vejam quantos aplicativos úteis ao dia a dia das pessoas surgiram na última década! E as casas inteligentes, então!

Vejamos o potencial de energia hidroelétrica no Estado. Devido a tantos rios em Mato Grosso e às novas tecnologias, multiplicaram-se grandes investimentos, como usinas hidrelétricas (UHE) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). Bem melhor e de menos impactos ao meio ambiente, como a energia a partir do carvão,  predominante na era da supracitada Revolução Industrial. 

Outra questão é a "febre" dos últimos três anos da energia fotovoltaica ou energia solar. O ambiente urbano em Cuiabá já tem outra paisagem. São inúmeros prédios comerciais, condomínios e residências particulares com as tais placas solares. Isso só para lembrar uma cidade onde há radiação solar por cerca de 270 dias por ano. 

E, para registrar, o eletroposto já é real em Cuiabá com a unidade de abastecimento de carro elétrico na sede da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt). Instituições de fomento, por exemplo, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), têm estimulado o novo negócio de economia fotovoltaica, entre outros.

Desde que o homem descobriu o fogo até os dias de hoje, milhares de negócios ou empreendimentos foram se multiplicando a partir da mente humana, assim como novos materiais, pesquisas científicas, novas tecnologias e a geração da capacidade criativa das pessoas.

É claro que algumas vezes,  lamentavelmente, muitas pessoas sofreram com trabalhos pesados e até mesmo vidas foram perdidas para a economia e o capitalismo avançarem. Fato. Digo isto para relembrar o quanto é importante a ciência, a tecnologia e a educação em um país como o Brasil e em um Estado como Mato Grosso.

Todas estas informações mencionadas neste artigo não seriam importantes se não viessem da educação básica, da pesquisa científica e das ciências aplicadas para o conhecimento humano gerar produtos, serviços e riquezas.

Seja lá atrás, na Revolução Industrial, ou na modernidade, com a Revolução Digital, é necessário e urgente autoridades públicas (presidente, governadores, prefeitos e parlamentares), empreendedores e financiadores fazerem uma cruzada a favor da educação e do conhecimento, para libertar mentes e dotá-las de criatividade para terem produção, utilidade social e, por conseguinte, ocupação capaz de destinar emprego e renda a milhões de pessoas que engrossam a lista do desemprego. Sem avanço, tecnologia, inovação e educação, seres humanos de Mato Grosso e do Brasil não terão condições igualitárias para construir uma sociedade livre, próspera e feliz.

#desenvolvimento

#infraestrutura

#economiadigital

#inteligenciartificial

Welyda Cristina de Carvalho é advogada, pós-graduada em Direito Processual Civil pela FESMP/MT, fez intercâmbio em Sunshine Coast, na Austrália e atua no direito do agronegócio. 

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
16.07.19 10h03 »  Reflexões sobre a mentira
16.07.19 10h00 »  Apenas reconheça
16.07.19 09h57 »  Armadilhas do amor
16.07.19 09h55 »  ICMS e energia solar
15.07.19 08h31 »  Coração rompido
15.07.19 08h28 »  Geração mais gerações
15.07.19 08h27 »  O conluio do terrorista americano
15.07.19 08h21 »  O mundo oculto das relações
14.07.19 07h55 »  Estado Laico
14.07.19 07h55 »  O grande poder das emendas

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER