16.02.2012 | 07h48


GABRIEL NOVIS NEVES

Carnaval



É uma grande fantasia acreditar que o Varnaval é uma festa genuinamente brasileira e nascida nos morros.

Ele nasceu na Europa durante o período Vitoriano, espalhou-se pelo mundo e adaptou-se às mais variadas culturas.

Quem assiste pela televisão aos desfiles das escolas de samba no Sambódromo do Rio, tem a impressão que o carnaval nasceu no Morro da Mangueira.

Outro carro alegórico do Carnaval é acreditar que é uma festa popular.

"O Carnaval é a maior expressão da cultura popular brasileira" - palavras de Eduardo Portela, ministro da Educação e Cultura do Brasil, no Ginásio de Esportes da UFMT, defendendo a nossa escola de samba Mocidade Independente Universitária, vítima de crítica de alguns setores da sociedade cuiabana. Isso aconteceu há mais de trinta anos.

O Carnaval, atualmente, é uma festa para ricos, com os seus camarotes vips cinematográficos, abadás caríssimos, além das festas privadas, sempre com atrações internacionais, que cobram um absurdo por essa extravagância. Os pobres, nem por perto chegam nesses lugares.

Geralmente, os municípios brasileiros, muitos com a sua população passando fome, financiam os blocos de rua visando retorno político.

Os trios elétricos estão por todo o Brasil. Até aqui em Cuiabá esses caminhões de som, com artistas locais e de fora, financiados, na sua maioria, com o dinheiro público, fazem a alegria de alguns artistas.

Na Bahia, durante o Carnaval, existem mais trios elétricos que centros de macumba. Saudades dos carnavais passados, quando todos os grandes compositores brasileiros compunham para a festa de rua, marchinhas e sambas, e até hoje são tocadas em clubes.

Cantar e pular a noite toda, Mulher Popozuda, é prova de mau humor.

A saúde no Brasil não sai das manchetes da mídia. Dia desses, um atropelado em São Paulo ficou mais de cinco horas esperando pela chegada de uma ambulância para um socorro de urgência-emergência.

O interior do nosso Estado tem dificuldades em remover os seus pacientes para Cuiabá por falta de ambulâncias.No carnaval deparamos com uma enormidade de ambulâncias, com equipes completas de socorro em todas as portas dos clubes ou nas ruas de Momo.

Terminado o Carnaval, como em um passe de mágica, elas desaparecem.

A gestante, em período expulsivo, tem o filho na rua. O idoso com falta de ar morre em casa por falta de remoção. Os acidentados no trânsito ficam horas esperando a chegada de uma ambulância para o socorro salvador.

E a nossa falta de segurança pública multifatorial?

A resposta do Governo é que o Estado não tem dinheiro para nomear, pelo menos, dez mil soldados concursados, treinados para trabalhar nas ruas enfrentando o crime.

Durante o Carnaval, o que não falta nas ruas são soldados da Polícia Militar. Estão ali, não para enfrentar os integrantes do crime.

Sua missão é cuidar dos bêbados nas festas, evitar brigas de filhinhos do papai e multar automóveis.

Outra falácia atribuída ao nosso Carnaval: o pequeno comerciante ganha uma nota preta no carnaval vendendo espetinho, pipoca, milho verde, sanduíche e refrigerante. Se eles forem depender desse dinheiro para sobreviver, estariam mortos.

Quem ganha dinheiro no Carnaval são as cervejarias, donos de trios elétricos e poucos artistas baianos.

As despesas produzidas pelo Carnaval custam alto ao bolso do brasileiro.

A lotação nos hospitais, por vítimas de acidentes de trânsito durante o carnaval, é algo assustador em recursos financeiros, além de aposentadorias precoces por invalidez e, até morte.

Não contando os crimes de rotina que têm um incremento nesses dias, e as sequelas das doenças sociais do carnaval.

Carnaval de agora é para ricos. Muito diferente do carnaval do meu tempo de criança.

GABRIEL NOVIS NEVES é médico em Cuiabá, fundados e ex-reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Sebastião Queiroz  16.02.12 12h02
Excelente explanação sobre a dita festa "popular" Dr Gabriel. Nesta farra dos mais ricos, somos nós o povo trabalhador que vai pagar a conta de toda essa extravagância, com os possíveis acidentes, assassinatos e outros crimes que ocorrem em virtude dos abusos durante a festa. Tem razão em dizer que o carnaval de tempos atrás era sim uma festa popular. Bons tempos aqueles. Afinal, nunca mais voltarão.

Responder

0
0
Cintia  16.02.12 09h02
Pão e circo ainda iludem o povo, dr Gabriel. Todos sabemos da miséria que está a saúde e mais ficará com os cortes do governo federal que alijou mais um bocado o já escasso recurso para a pasta, sem falar nos demais problemas (segurança nem se fala). E dinheiro escorrendo pelos ralos da corrupção, todo mundo assistindo, sabendo, entendendo e continua a votar nos mesmíssimos políticos. Gostaria de ver gente como o senhor se apresentar como opção para nós votantes.

Responder

0
0

Confira também nesta seção:
20.06.19 10h53 »  Água é vida
20.06.19 10h42 »  A terra está mudando de mãos
20.06.19 10h33 »  Recuperação extrajudicial
20.06.19 09h57 »  O que é a verdade?
19.06.19 08h54 »  Relação íntima de afeto
19.06.19 08h44 »  Ampliação da produção
19.06.19 08h38 »  Odebrecht
19.06.19 08h36 »  Não existe futuro
18.06.19 08h46 »  A Bíblia
18.06.19 08h39 »  Oração dos contadores

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER