08.11.2018 | 07h55


ONOFRE RIBEIRO

Bolhas que quebram o Estado

Sem poder aumentar os impostos, governos terão que tomar atitudes

O tema é espinhoso. Mas é real. Quanto mais cedo for tratado, mais cedo deixará de se transformar de espinhoso em conflituoso. São três vertentes. O funcionalismo público caríssimo pro cidadão-contribuinte, os poderes, e as despesas públicas. Somados esses três elementos inviabilizaram e os custos do Estado brasileiro, repetindo-se nos estados e municípios. Ficou  insustentável. Enquanto havia ambiente aumentaram-se os impostos. Com a carga tributária no teto em relação ao mundo, o Brasil tem que resolver essa equação pelo caminho da redução das despesas do Estado.

Com a politização do serviço público brasileiro a partir de 1991 pela entrada do sindicalismo em território virgem, através das centrais sindicais, em especial a CUT, o serviço público aprendeu a fazer greve e a defender direitos cada vez mais crescentes. No período FHC, com seu viés de esquerda, abriu os cofres pro serviço público.  Nem é preciso dizer o que houve nos governos petistas.

Hoje, os salários no serviço público são muito superiores aos de idêntica função no mercado privado. Porém, a produtividade é muito inferior. Sucessivos reajustes salariais e o inchamento da máquina pública com funcionários, a partir das coligações partidárias de 1997 em diante, entupiu o serviço público de gente ociosa. Logo, de custos crescentes.

A mesma bolha alcançou os poderes. Todos os poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário, Tribunal de Contas e por conta da farra as empresas estatais, saíram completamente da realidade brasileira. Salários altos e penduricalhos a títulos de compensações. Algumas vergonhosas! No plano federal e nos estados.

Por fim, o déficit público nacional, próximo de R$ 200 bilhões em 2019, acendeu perigosa luz vermelha no painel. Sem poder aumentar os impostos, governos terão que tomar atitudes. A primeira delas é cortar custos. E pra isso terão que furar todas as bolhas. Imagino as reações. Ninguém querendo perder vantagens, o clima ficará muito azedo.

Em Mato Grosso já se fala abertamente em Planos de Demissão Voluntária-PDV, pra funcionários estáveis de uma série de autarquias. Vai generalizar. No plano federal será uma tempestade. Muita gente deixando o emprego e descobrindo a dureza da vida sem o salário depositado no fim do mês, faça sol ou faça chuva. Volta à escola pra reaprender e a percepção dura de que a vida não cabe dentro de bolhas de vantagens!

Fico cá imaginando que, finalmente, a minha geração parece enxergar um tempo de eficiência e de baixo custo do Estado que nos governo, depois de ciclos de farra com os nossos impostos.

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

De olho vivo!  09.11.18 07h53
"Ilustríssimo" senhor que já chamou o nosso amado Brasil de lata de lixo: Aprendemos na Faculdade de Direito que direito não é favor, entendeu? DIREITO NÃO É FAVOR!!!

Responder

0
0

Confira também nesta seção:
17.11.18 07h55 »  Ele escolheu a miséria?
17.11.18 07h55 »  MT e a Revolução Industrial
17.11.18 07h55 »  Interesses comercias de MT
17.11.18 07h55 »  Sistema ineficiente
16.11.18 08h24 »  Eleições OAB-MT 2018
16.11.18 08h23 »  Um ano da Reforma Trabalhista
16.11.18 08h21 »  Inoportuno!
16.11.18 08h19 »  Taxação do agronegócio
15.11.18 07h55 »  Um ano de Reforma Trabalhista: e ai?
15.11.18 07h55 »  Doe sangue

Enquete

O Governo de Mauro Mendes vai ser melhor ou pior que o de Pedro Taques?

Melhor

Pior

Iguais

Não sei

  • Parcial Votar

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER