22.06.2019 | 08h35


CRISE ECONÔMICA

Alta das passagens e problemas da Avianca levam brasileiro a trocar o avião pelo ônibus

Número de passageiros que pegam estrada para viajar cresce 12% em cinco meses. Empresas já criam novas rotas.



RIO — A crise da Avianca — que ajudou a elevar o preço das passagens aéreas — e a polêmica em torno da cobrança por bagagem e por assento nos voos, além da crise econômica, têm levado muitos brasileiros a trocar os aeroportos pelas rodoviárias. De janeiro a maio deste ano, o número de passageiros que encararam a estrada de ônibus em viagens interestaduais aumentou 12% ante igual período do ano passado, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati).

Nos primeiros quatro meses de 2019, o número de pessoas que cruzaram as divisas entre os estados brasileiros a bordo de avião cresceu 2,95%, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Os dados de maio para bilhetes aéreos ainda não estão disponíveis.

O movimento pode ser um indício de consolidação de uma tendência verificada no ano passado, quando o ritmo de crescimento do transporte de passageiros sobre rodas superou o feito com asas. Desde 2010, quando o número de pessoas transportadas por avião ultrapassou o das que viajavam de ônibus pela primeira vez no país, a procura pelas estradas vinha caindo — a exceção foi o ano de 2012, quando houve uma leve alta. 

Mas o modal rodoviário ainda está longe de desbancar o aeroviário quando se trata de passageiros. A quantidade de pessoas que se sentaram na poltrona do ônibus (41,8 milhões) foi menos da metade das que optaram pela do avião no ano passado (86,2 milhões). 

— Com menos opções e preços mais altos, a migração (do avião para o ônibus) é inevitável. Muitas pessoas estão evitando andar de avião. Vivemos uma crise do setor aéreo no país, o que traz impactos para toda a economia. O crescimento do transporte rodoviário só não é maior porque as distâncias são muito grandes —explica Ulysses Reis, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e sócio da consultoria Inovação em Varejo, que atribui o aumento na procura pelo ônibus ao vazio das rotas operadas pela Avianca, ao alto valor dos bilhetes aéreos e à cobrança por bagagem e outros serviços, como marcação de assento. 

Criação de novas rotas

A demanda por passagens de ônibus vem crescendo tanto que algumas empresas têm inaugurado novas rotas ou aumentado a frequência nos trajetos mais procurados. O fenômeno vem ocorrendo especialmente em trechos em que os voos da Avianca se destacavam, como as conexões entre Rio e Brasília — a companhia aérea entrou em recuperação em dezembro e teve sua operação suspensa em 24 de maio. 

— Nesses cinco meses (de 2019), o setor (rodoviário) está observando um grande aumento na demanda, sobretudo nos trechos operados pela Avianca — afirma Letícia Pineschi Kitagawa, conselheira da Abrati e diretora de Marketing e Relações Institucionais da Viação Util. — Só abrimos uma linha quando realmente há uma forte demanda. Por isso, abrimos um eixo do Rio para Brasília pela parte da manhã. Temos percebido que Brasília tem se tornado um hub para o Nordeste. 

Segundo ela, a Util inaugurou uma terceira viagem diária no eixo Rio-Brasília, de 18 horas de duração. Letícia destaca ainda que estuda aumentar a oferta regular entre Rio e São Paulo. Mas a conselheira da Abrati diz que houve aumento na demanda por viagens em todo o país, como no trecho entre Juazeiro do Norte e Fortaleza, Salvador-João Pessoa, além de Rio-Vitória e Rio-São Paulo. 

— Temos notado que muitos passageiros, que não estavam habituados com o ônibus, se surpreendem com as melhorias que foram feitas, como poltronas mais confortáveis e capacidade para transportar bagagem — diz Letícia. 

De olho no maior número de negócios, o Grupo JCA, que responde pelas viações Cometa, Catarinense e 1001, lançou sete opções de rotas, com novos trajetos que incluem os aeroportos do Rio (RIOgaleão), São Paulo (Guarulhos e Congonhas) e Paraná (Afonso Pena). A empresa, que conta com mais de dois mil veículos, planeja neste ano aumentar ainda mais esse número. 

Ônibus fretado

As empresas também vêm diversificando a oferta de serviço: é possível até fretar ônibus por meio de aplicativos, como faz a Buser. 

— Por mês, crescemos 30%, e por dia temos cerca de 10 mil novos cadastros. Há um nítido aumento da procura pelo serviço. Tive a ideia de criar a empresa na época em que me casei, ao escolher fretar um ônibus para levar os convidados para a cerimônia na Bahia. Percebi que financeiramente era a melhor alternativa — conta o engenheiro Marcelo Abritta, fundador da Buser. 

Acostumada a percorrer distâncias maiores para visitar a família, a soteropolitana Ix Chel Barbosa, de 22 anos, recebeu de última hora a confirmação para apresentar um artigo em um congresso universitário no Espírito Santo, marcado para a primeira semana deste mês. Ela, que sempre optava pelo avião, foi para a capital capixaba de ônibus usando o aplicativo da Buser. 

— Tive cerca de uma semana para programar minha viagem. Estava em cima da hora, e as passagens de ida e volta de avião triplicaram de preço. Moro no Rio há quatro anos, e pela primeira vou a Salvador de ônibus para visitar a família. É uma viagem longa, mas durante o tempo de estrada dá para ler um livro — conta a universitária.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER