10.01.2019 | 10h00


ESTADO EM CRISE

Sindicalistas não aceitam escalonamentos de salários e ameaçam greve unificada

Os servidores se mobilizam para decidir se até o fim deste mês paralisam atividades em protesto contra a decisão do Governo de escalonar salários e parcelar 13° em vezes


DA REDAÇÃO

Fórum Sindical, que reúne a maioria das categorias dos servidores do Poder Executivo de Mato Grosso, divulgou documento em que o grupo sugere a realização de uma greve geral contra o escalonamento de salários proposto pelo governador Mauro Mendes (DEM). Até o fim deste mês cada sindicato deve se reunir para debater o assunto e decidir sobre a paralisação dos trabalhos.

Até novembro de 2018, o Estado vinha pagando os servidores até o dia 10 do mês subsequente ao trabalhado, no entanto, a crise de caixa se agravou em dezembro e o governo terminou de pagar os salários apenas no dia 21. Já o décimo terceiro dos servidores que fazem aniversário em novembro, dezembro e os comissionados não foram pagos.

“A indicação do Fórum é não aceitar o parcelamento do décimo terceiro dos aniversariantes de novembro e dezembro, assim como das demais verbas salariais”, diz o Fórum.

Para este mês, o Governo deve começar a pagar os salários nesta quinta-feira (10) para 33.473 aposentados e pensionistas e 43.000 funcionários em atividade que recebem até R$ 4 mil líquidos.

Outros 16.531 servidores da ativa que ganham até R$ 6 mil líquidos serão pagos no dia 24 de janeiro e, por último, no dia 30, a folha restante (13.063 servidores).

A folha deste mês ficou em R$ 552,5 milhões, segundo o Governo do Estado. O décimo terceiro que ficou remanescente do ano anterior será quitado no último dia dos próximos quatro meses.

“A indicação do Fórum é não aceitar o parcelamento do décimo terceiro dos aniversariantes de novembro e dezembro, assim como das demais verbas salariais”, diz o Fórum.

Como ocorreu em meados da gestão Pedro Taques (PSDB) pelo parcelamento do Revisão Geral Anual (RGA), os sindicatos propõem uma nova greve unificada entre as categorias.

“Assim, respeitando a autonomia das entidades sindicais e, as condições específicas de cada uma, fica aberta a decisão de paralisação ou não para este momento, porém, a indicação do Fórum é pela construção da greve geral unificada a partir de fevereiro, após avaliação e deliberação conjunta de todos os sindicatos, inclusive da educação que encontra-se em férias coletivas”, diz outro trecho. 

Por fim, os sindicatos dizem que o governo de Mauro Mendes apresentou à Assembleia Legislativa um projeto que congela os valores pagos pelo Estado sobre o RGA e criticou a reunião da semana passada com o governador pelo fato do Estado não ter dito nada ainda sobre o pagamento do RGA de 2018, que está sendo discutido com o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Força na Assembleia

Segundo o Fórum, Mauro tenta evitar a votação de projetos com a nova legislatura que tem um quadro mais favorável de deputados em favor dos servidores. “Lamentamos tal escolha do Governo recém-empossado”, finalizam.   











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

José  11.01.19 13h17
QUANDO VAMOS INVESTIGAR OS R$20 BILHÕES EM FRAUDES DO GOVERNO TAQUES? Não se pode esquecer de apurar e recuperar todos os desvios e fraudes do desgoverno pedro taques da transformação do estado em caos e roubalheira, os quais juntos já SOMAM $20 BILHÕES. Só para lembrar aí vai a lista detalhada dos $20 bilhões: R$69 milhões em desvios na caravana da transformação; perdão de R$645 milhões em dívida da petrobrás; perdão de R$5 milhões de reais em dívidas da unimed cuiabá; a operação Rêmora por desvio de R$57 milhões na SEDUC; operação Bereré por desvio de R$30 milhões no Detran; operação Grampolândia na segurança pública usada para chantagear adversário; delação de Alan Malouf sobre Brustolin e vários secretários com R$50 mil/mês por fora; mensalinho R$100 milhões por dentro para os deputados; rombo de R$4 bilhões no caixa e desvio de $230 milhões do fundeb; desvio de R$1,2 milhões no fundo de trabalho escravo; desvio e apropriação de R$300 milhões dos municípios; desvio e apropriação de R$300 milhões dos poderes; aumento de $2 bilhões nos Incentivos Fiscais; aumento de milhares de cargos políticos comissionados, aumentou da folha de pagamento pela contratação de mais de 10.000 pessoas; uso da justiça para proteger seus amigos e secretários conforme disse o cabo gerson; delação de Alan Malouf tratando de 12 tipos de corrupção entre elas os $10 milhões de caixa 2 administrados por Alan Malouf e Julio Modesto; licitação irregular de 11 bilhões para transporte interestaduais; desvio de R$58 milhões em pontes na SINFRA; $300 milhões em vantagem cobrada de quem recebeu antecipado no decreto do bom pagador; crédito de R$100 milhões para o primo Paulo Taques; maracutaia com a juiza candidata para ferrar o silval e a familia dele. Além disso, apropriação indébita de R$70 milhões descontado dos salários dos servidores públicos para pagar empréstimos consignados e estouro da folha pagando vantagens para apaniguados políticos.

Responder

0
0
Teka Almeida  10.01.19 10h22
Gente, temos dinheiro!!!!! O parcelamento do 13º não faz sentido e prejudica os servidores que fizeram uma programação extra em cima do dinheiro, que é um direito. Querem saber porque falo que entrou dinheiro no caixa do estado????? eis a resposta: http://www.caldeiraopolitico.com.br/mato-grosso/impostometro-em-nove-dias-de-mandato-tesouro-acumula-r-125-bilhao-tem-dinheiro-para-pagar-dezembro-governador/50600

Responder

3
0
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER