10.06.2019 | 16h30


COBRAM AUMENTO de 7,69%

Servidores da Educação mantêm greve em Mato Grosso e protestam por reajuste

Greve dura a três semanas e ao menos 93 municípios estão sem aulas. Governo alega que está impedido de conceder reajuste.


DA REDAÇÃO

O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep) decidiram pela continuidade da greve da Educação, em Mato Grosso, após votação em assembleia geral, na tarde desta segunda-feira (09), na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá.

Após a deliberação, os sindicalistas seguiram para protesto pelas ruas da Capital, em passeata com objetivo de parar o trânsito e chamar a atenção para as reivindicações da categoria.

Os grevistas pararam os trechos da Avenida Mato Grosso até a Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha), no bairro Centro.

A greve completou três semanas nesta segunda-feira (10). Ao menos 93 municípios estão com as aulas da rede estadual suspensas.

A principal reivindicação é pelo reajuste de 7,69% em ganho real, que foi aprovado na gestão do ex-governador Silval Barbosa.

O Governo alega que está impedido de conceder reajuste, por ter extrapolado os gastos com a folha salarial e estourado o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Proposta do Governo

O Governo do Estado apresentou um ofício, na noite da última terça-feira (04),  para tentar pôr fim à greve dos profissionais da Educação não agradou o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT).

No documento, o Executivo Estadual explica as razões pelas quais o Estado está impedido, legalmente, de conceder o aumento salarial aos servidores públicos e demonstra que é essencial e o retorno aos limites de gastos com pessoal de acordo com o que estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou seja, 49%, para que seja possível que os reajustes possam ser novamente concedidos.

“A greve deve continuar até o Governo ter uma proposta. Mas quem define é a categoria, o sindicato não trabalha com nenhum tipo de flexibilização”, pontuou o presidente do Sintep-MT.

Para o presidente do Sintep-MT, Valdeir Pereira, a resposta do Governo em relação à paralisação não trouxe nada de novo e sequer cita o cumprimento da Lei 510/2013; calendário da melhoria da infraestrutura das unidades escolares; convocação do concurso público e cumprimento do artigo 245, que determina que sobre isenções e renúncias fiscais deva ser assegurado o percentual da Educação, ponto principal da paralisação.

“O que encerra greve é proposta e o documento não traz nenhuma. Agora, qual é a perspectiva de encerrar uma greve sem proposta?”, disse Valdeir Pereira.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER