21.05.2020 | 15h37


VARIEDADES / DEU RUIM

Sonia Abrão é processada por fotógrafo após soltar fake news ao vivo

Profissional exige dinheiro e pedido de desculpas de 10 minutos no ar



O fotógrafo Antonio Carlos Rodrigues Gil está processando Sonia Abrão e a RedeTV!, emissora da qual a apresentadora faz parte. O profissional alega que foi vítima de uma fake news veiculada em abril no programa da jornalista, o A Tarde É Sua.

Rodrigues Gil foi apontado na notícia como o responsável por perseguir e cobrar explicações do jornalista Marcelo Cosme, da GloboNews, que estava furando a quarentena para praticar atividades físicas no Rio de Janeiro (RJ).

“O Gil Rodrigues, que foi o paparazzo que fez essas imagens, já estava perseguindo o Marcelo há dois dias. Estava indo atrás e querendo fazer esse flagra, ok. Eu acho que é o trabalho do nosso colega, mas é a pior forma de fazer”, falou Felipeh Campos, repórter de Sonia Abrão no programa do dia 8.

Léo Aquilla, que também participava da atração, julgou a atitude do suposto fotógrafo. “Acho que o Marcelo Cosme está errado, mas também acho que nada justifica a agressividade com a qual ele foi recebido na rua. Uma coisa é você usar o seu celular para denunciar uma atitude ou alertar a comunidade como um todo, outra é você vir com essa agressividade injustificável. Achei pesado”, opinou. Sonia, por sua vez, concordou com a colega.

Porém, não foi Rodrigues que hostilizou o jornalista na rua, e sim, um homem identificado como Alexandre Monteiro, segundo o Notícias da TV.

Na ação, a defesa de Gil Rodrigues diz que o fato de ele ter sido associado com a pessoa que xingou o jornalista da GloboNews de ‘lacrador de merda’ e ‘hipócrita’ lhe causou problemas. Por isso, agora ele exige uma indenização de R$ 41,8 mil por danos à imagem e um pedido formal de desculpa durante dez minutos do vespertino.

“Na data do fato, Gil Rodrigues encontrava-se em isolamento, por apresentar sintomas compatíveis de covid-19. Debilitado e angustiado, se viu obrigado a suportar pelas semanas seguintes um verdadeiro linchamento moral realizado por telefone e redes sociais, em decorrência da notícia exibida nos programas do dia 7 e 8 de abril”, afirmaram os advogados no processo.

A correção do equívoco aconteceu no programa do dia 10 de abril, porém durou poucos segundos. Gil acredita que o pedido de desculpas deveria durar o mesmo tempo do programa original, na ordem de 10 minutos.

Ainda de acordo com o site, a apresentadora e a emissora ainda não foram notificadas, portanto desconhecem o processo.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO