17.09.2019 | 14h30


COMPORTAMENTO

Ser feliz no casamento pode diminuir o risco de demência em 40%

Segundo os cientistas suecos, casais saudáveis incentivam bons hábitos de vida que reduzem a inflamação do cérebro



Estar em um relacionamento infeliz pode ter consequências para o desenvolvimento de demência, dizem pesquisadores da universidade de Estocolmo e Instituto Karolinska, ambos na Suécia. Depois de estudar quatro mil idosos por dez anos, os cientistas descobriram que o risco de desenvolver demência na velhice é 40% maior em voluntários que não se consideravam felizes e são solteiros.

A explicação dos responsáveis pela pesquisa é que o isolamento social pode levar as pessoas a serem tristes e irritadas, além de ter um estilo de vida menos saudável, fatores que aumentariam o risco de demência.

Casais felizes, em contrapartida, não só melhorariam o humor do parceiro, ajudando a lidar com o estresse, como encorajariam o outro a fazer exercícios, parar de beber e fumar e a se alimentar melhor — essas ações seriam responsáveis por diminuir inflamações, que tem relação direta com a doença.

“Descobrimos que o status de relacionamento e a situação de moradia têm potencial para aumentar os efeitos do mau humor no processo de desenvolvimento da demência. Por isso, a atenção dos profissionais de saúde deve estar voltada para indivíduos com problemas de humor e que estão vivendo sós”, escrevem os responsáveis pela pesquisa no estudo.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER