03.06.2020 | 11h13


VARIEDADES / CÂNCER NO OVÁRIO

Mulher pede ajuda para tratar câncer e vaquinha ultrapassa meta

Em 2012, o rosto de Stephany foi visto em diversos telejornais depois que ele foi detida dirigindo embriagada



Stephany Rosa da Silva ficou conhecida em todo o Brasil há cerca de 8 anos. Você pode não se lembrar dela, mas a então jovem de 22 anos virou assunto por conta de um vídeo em que pode ser vista embriagada, dentro de uma viatura policial.

Agora, já em 2020, ela voltou ao centro das atenções por pedir ajuda, na internet, para custear o tratamento de um câncer no ovário.

Em 2012, o rosto de Stephany foi visto em diversos telejornais depois que ele foi detida dirigindo embriagada. Enquanto conversava com repórteres, passou a jogar “piadinhas” para um dos profissionais e foi o suficiente para que as imagens fossem compartilhadas aos montes nas redes sociais.

De lá pra cá, a vida da mulher, que vive em Curitiba (PR), mudou drasticamente. Ela foi diagnosticada com um câncer no ovário em 2018 e desde então luta para tratar a doença. Aos 30 anos, resolveu pedir ajuda.

Nesta terça-feira (2), a vaquinha criada por Stephany já conta com mais de R$ 42 mil em doações, R$ 20 mil a mais do que a meta estipulada por ela para o tratamento da doença, que inclui terapias alternativas, fisioterapia, adaptações para cuidados em casa, além da medicação que precisa tomar.

Assim que o valor foi atingido, Stephany demonstrou felicidade e comemorou: “Seeeenhooor, é muita emoção!! Ultrapassamos a meta, quem já cuidou de paciente com câncer sabe os custos que se tem, eu pretendo realmente ter uma qualidade de vida e autocura com estas doações”, escreveu na página da vaquinha com as arrecadações.

No Twitter, internautas de diferentes partes do país também comemoraram e desejaram melhoras para a mulher. “É muito gratificante saber que ela vai poder se cuidar direitinho”, escreveu um rapaz. “Que legal, estou torcendo por ela. Que Deus a abençoe”, comentou outro.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO