21.02.2020 | 14h15


VARIEDADES / ALERGIA AO FENOL

Mulher faz peeling e 'perde' um rim: 'Sensação de algo estar comendo a pele'

Por causa disso, ela conta, perdeu a funcionalidade de um dos rins, teve os dentes fragilizados e ficou com problemas na visão.



Era 2017 quando a então dona de um salão de beleza no Mato Grosso identificada como Tatiana, 43, aceitou fazer gratuitamente um peeling facial, procedimento que serve para acne inflamada ou renovar a pele. Só que a profissional que ofereceu esse serviço a ela usou fenol, um ácido muito corrosivo usado em pessoas com rugas profundas ou pele manchada e que promete até 20 anos de rejuvenescimento. Por causa disso, ela conta, perdeu a funcionalidade de um dos rins, teve os dentes fragilizados e ficou com problemas na visão.

Passados três anos e ainda se recuperando das sequelas, Tatiana resolveu expor o caso nas redes, com objetivo de alertar para os cuidados na hora de fazer qualquer procedimento estético. O post já teve mais de 3,5 mil compartilhamentos. A dermatologista Gabriela Munhoz, especialista em tratamento e prevenção de problemas estéticos na pele, decreta: o procedimento só pode ser feito em clínica, com cirurgião plástico ou dermatologista.

Por causa do relato, Tatiana tem sido atacada por algumas esteticistas na internet, e por isso pede aqui para não identificar seu sobrenome. Mas também vem sendo procurada por outras tantas mulheres que já tiveram o mesmo problema.

Longos dois minutos

À Universa, a hoje comerciante explica que o serviço foi oferecido por uma pessoa que já fazia massagem modeladora no local, mas que também queria realizar procedimentos faciais para aumentar o número de clientes. E por isso sugeriu que Tatiana fosse sua primeira cliente. Passados dois minutos com o produto no rosto, ela relata que começou a sentir forte queimação.

"Primeiro deu uma 'pinicadinha', foi aumentando e já comecei a gritar e chorar. E desmaiei. Ela passou pasta d'água em mim, e colocou um ventilador em cima do rosto para passar a ardência. Parecia que algo estava comendo minha pele", Tatiana relembra.

A comerciante foi então para casa com o rosto bem inchado, mas a então massagista, ela conta, disse que a reação era normal. Até que sua visão foi ficando turva e a audição prejudicada. Foi quando ela decidiu ir para o hospital. "Vieram ainda dores de cabeça muito intensas, e não conseguia mais respirar. Chorava muito e meu coração estava acelerado", lembra ela, que ficou quatro dias internada, sob efeito de sedativo.

Por causa das feridas, incluindo herpes, Tatiana precisou tomar uma série de antibióticos e antiinflamatórios para o rosto desinchar. Em altas doses, eles podem causar insuficiência renal aguda, conforme explica o nefrologista Marcelo Mazza, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia e da Fundação Pro-Renal. Depois de um ano de tratamento, ela diz que um dos rins atrofiou e secou, e hoje usa diurético:"Eu já tinha um rim menor que o outro. Com o uso desses medicamentos, ele atrofiou e não tem mais função nenhuma. Os dentes ficaram frágeis também por causa dos medicamentos e hoje uso aparelho dental. Também preciso usar óculos de grau".

Apesar de não ter ficado com cicatrizes no rosto, ela diz que sente-se refém da maquiagem, pois possui algumas manchas - e ainda sente dores de cabeça. Com medo de passar por qualquer outro procedimento estético, ela faz microagulhamento no rosto a cada três meses, para reduzir essas manchas. Desta vez, com uma dermatologista. "Agora aprendi a me informar sobre a qualificação do profissional antes de realizar qualquer procedimento, e ainda fazer teste de alergia", ela conclui.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO