08.04.2011 | 02h18


VARIEDADES

Governo dobra imposto de empréstimos para conter o consumo

R7 08h20

O governo promoveu mais um aumento de impostos para conter o consumo no país e evitar a inflação. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou agora pouco a elevação do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nos empréstimos para pessoas físicas, de 1,5% para 3% ao mês. A medida entra em vigor nesta sexta-feira (8).

Com essa medida, além dos juros que já estão altos, o crédito fica mais caro ainda para o consumidor.

- Estamos tomando esta medida para moderar o aumento do crédito para consumo - disse o ministro, durante anúncio em São Paulo.

- As outras modalidades [de crédito] não são afetadas por isso, como o crédito para empresas e para investimentos.

Ou seja, operações de empréstimos destinadas a empresas ou investimentos não serão atingidas pela medida.

Segundo o ministro, o aumento atingirá todas as compras a prazo de consumidores. Mantega disse que, quando a demanda cair, o governo poderá revogar esse aumento da alíquota.

Essa é mais uma medida que se junta a outras tomadas pelo governo para segurar o consumo. Uma delas foi o aumento do imposto para gastos no exterior pagos com cartão de crédito - de 2,38% para 6,38% - e, outra, a implantação do IOF para empréstimos feitos lá fora por bancos e empresas que têm prazo de até dois anos para pagamento, com alíquota de 6%. Até então, a incidência dos 6% era apenas em empréstimos abaixo de um ano.

O ministro admitiu ainda que a inflação deste ano deverá sair do centro da meta, que é de 4,5%, mas não será maior do que o índice do ano passado - 5,91%, maior resultado desde 2004, quando ficou em 7,60%.

Dados divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que a inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), acumula 2,44% nos primeiros três meses deste ano. No período de 12 meses, até março, já está em 6,30%, bem acima da meta central, mas dentro da margem prevista de oscilação, que vai até 6,5%.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO