28.02.2020 | 14h30


VARIEDADES / NOVA SECRETÁRIA DE CULTURA

Globo e Regina Duarte entram em acordo e encerram contrato de mais de 50 anos

Decisão ocorreu após a atriz aceitar convite para assumir a Secretaria de Cultura.



Após mais de 50 anos na Globo, a atriz Regina Duarte e a emissora encerraram a relação contratual em comum acordo. A decisão ocorreu após a atriz aceitar o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir a Secretaria Especial de Cultura.

"Deixar a TV Globo é como deixar a casa paterna. Aqui recebi carinho, ensinamentos e tive a oportunidade de interpretar personagens extraordinárias, reveladoras do DNA da mulher brasileira. Por mais de 50 anos sinto que pude viver, com a grande maioria do povo brasileiro, um caso de amor que, agora sei, é para sempre", declarou Regina.

A Secretaria Especial da Cultura herdou as atividades do antigo Ministério da Cultura, extinto por Bolsonaro ao assumir a Presidência, e hoje faz parte do Ministério do Turismo.

No último dia 19, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, disse que Regina deve assumir a secretaria de dez a quinze dias após o Carnaval.

A atriz anunciou no dia 29 de janeiro ter aceitado o convite de Bolsonaro para comandar a Cultura. Ela assumirá o posto deixado pelo ex-secretário Roberto Alvim, demitido por Bolsonaro em 17 de janeiro.

Alvim caiu após a repercussão negativa de um discurso em que usou frases semelhantes às usadas por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do governo de Adolf Hitler, na Alemanha nazista.

Na mesma semana da demissão de Alvim, Regina teve um encontro com Bolsonaro no Rio de Janeiro e foi convidada para assumir a pasta.

 










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO