02.12.2019 | 15h46


BARBÁRIE NO WHATSAPP

Funcionários de hotel drogam e estupram mulher e divulgam vídeo

Justiça da Itália pediu que os cinco acusados sejam condenados a nove anos de prisão, pena máxima estipulada, para que o caso 'sirva de exemplo' no país.



Um caso bárbaro de estupro começou a ser julgado em Nápoles, na Itália, nesta semana. Cinco funcionários de um hotel são acusados de drogar e depois estuprar uma britânica de 50 anos, que estava na cidade ao lado da filha em um passeio de férias. O vídeo do ataque ainda foi postado em um grupo de WhatsApp intitulado 'Hábitos Sujos'.

Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, a promotoria pede que os acusados sejam condenados a pena máxima prevista, de nove anos de prisão, para que o episódio seja um marco na Justiça da Itália e 'sirva de exemplo' para decisões futuras.

Durante o julgamento, a vítima, que teve a identidade preservada, disse que foi drogada enquanto estava no bar de um hotel em Sorrento, localizado na região sul da cidade, curtindo o último dia da viagem, realizada em outubro de 2016, logo após a morte de seu marido.

Ao afirmar que "há evidências" de que o grupo atacou a mulher, o promotor apresentou um exame que comprovou a existência do DNA de dois deles em amostras retiradas das unhas da vítima. Além disso, o vídeo compartilhado por eles em um grupo de WhatsApp também foi usado como prova do crime.

Questionada sobre o caso, a filha da vítima deu mais detalhes sobre a noite do ataque e disse também ter se sentido mal após ingerir as bebidas: "nós dividimos uma garrafa de vinho durante o jantar. Um dos funcionários, que foi bastante gentil, ofereceu uma bebida e nos convidou para o bar quando terminássemos de comer. Lembro que comecei a me sentir mal e corri para o banheiro. Quando voltei, ela já não estava mais lá", relembrou a jovem.

Ela afirmou ainda que a mãe não contou nada à polícia e só foi revelar o ocorrido quando já estavam no aeroporto, voltando para casa: "depois daquele momento, quando retornou ao quarto, ela se manteve distante e pouco falou. Só me contou os detalhes quando já estávamos voltando".

O julgamento seguirá nesta semana, com a análise de outros exames realizados pela vítima após o ataque e que já estão com os investigadores. Os acusados, Antonino Miniero, Gennaro Davide Gargiulo, Raffaele Regio, Francesco Ciro D'Antonio e Fabio De Virgilio, negam ter estuprado a mulher e garantem que a relação sexual foi consensual.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO