09.10.2019 | 09h40


'MARIA- ABSORVENTE ÍNTIMO'

Estudante desenvolve projeto de absorvente sustentável para moradoras de rua

'Uma das coisas que mais me motivou foi dar visibilidade ao tema do projeto. Só as pessoas pararem para pensar sobre o assunto já é muito bom', afirmou Rafaella de Bona Gonçalves, de 22 anos. Jovem vai apresentar o projeto para o prefeito.



Com o projeto de um absorvente sustentável para mulheres em situação de rua, a universitária curitibana Rafaella de Bona Gonçalves conquistou uma das mais importantes premiações internacionais de design. A ideia é produzir o absorvente a partir de fibra de banana.

"É o melhor prêmio de design que existe. Uma das coisas que mais me motivou foi dar visibilidade ao tema do projeto. Só as pessoas pararem para pensar sobre o assunto já é muito bom. É gratificante", afirmou.

Rafaella tem 22 anos é aluna do 3º ano de design de produto da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Em paralelo, decidiu fazer um curso de especialização em design voltado para soluções de impacto para o futuro.

O "Maria – absorvente íntimo" foi o trabalho de conclusão do curso, apresentado em julho. O objetivo era pensar em projetos para acabar com a pobreza.

"Queria trabalhar localmente. Comecei a procurar esse problema em Curitiba. Cheguei aos moradores de rua e, então, cheguei às mulheres em situação de rua. Tem problemas que só cabem a elas", contou Rafaella.

'Maria – absorvente íntimo'

O projeto desenvolvido em quatro meses pela estudante é um absorvente interno que se adapta às condições das moradoras de rua. Rafaella o define como "prático, higiênico e universal".

Ele será produzido com fibra de banana, que é um material biodegradável. O propósito de Rafaella é que o absorvente seja distribuído pelo governo.

Inclusive, a estudante tem reunião marcada com o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), para apresentar o projeto ainda em outubro.

Rafaella fez uma pesquisa e encontrou uma empresa que faz absorvente com fibra de banana na Índia. "Lá, a pobreza menstrual é um problema grande, por questões financeiras, culturais e religiosas", disse.

O absorvente projetado por Rafaella é um rolo. Para usá-lo, a mulher retira um pedaço do rolo de acordo com o fluxo e a necessidade.

Então, desdobra-se a aba que, após o uso, vai auxiliar a retirar o absorvente. Depois de desdobrar a aba, o pedaço do rolo é enrolado e fica pronto para ser usado.

"Com um rolo, pode fazer absorvente para três ciclos de sete dias", afirmou.

Por enquanto, o "Maria – absorvente íntimo" é um projeto. Rafaella ainda não tem previsão de quando o protótipo ficará pronto, nem uma expectativa de quanto seria o custo de um rolo. "Ainda não tenho ideia, dependeria da escala que o produto atingisse", explicou.

Conforme a última estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBFGE), que é de 2017, Curitiba tem 1.908.359 habitantes.

Dentro desse universo de quase dois milhões, 2.364 pessoas vivem em situação de rua, conforme a Fundação de Ação Social (FAS). Deste total, 2.154 são homens e 210 são mulheres.

A FAS compra, mensalmente, 1.856 absorventes para as unidades que atendem mulheres em situação de vulnerabilidade. Para as unidades que fazem atendimento a mulheres de rua, são entregues 736 absorventes por mês.

A coordenadora da Casa de Passagem para Mulheres e LBT, Camila Wenderico, explicou que a higienização é oferecida para as mulheres e transexuais atendidos ali.

Os portões das casas de passagem – são duas na cidade, uma no Rebouças e outra no Bairro Novo – ficam abertos das 19h às 20h. Nesse horário, as pessoas chegam para passar a noite e ficam até as 8h do dia seguinte.

"É ofertado todo o processo de higienização, além de alimentação, lazer e cama quentinha", explicou Camila.

Entre os itens que são distribuídos para a higiene, estão shampoo, condicionador, sabonete, toalha, escova e pasta de dente, lâmina para depilação e absorventes.

Acho importante todo trabalho em que a gente consiga unir população de rua com processos que ambientalmente garantam a sustentabilidade da cidade", afirmou Camila.

Camila disse que, hoje, as mulheres em situação de rua de Curitiba têm todo o suporte necessário. Contudo, ressaltou que ideias que voltem os olhares para essa população são bem-vindas.

"Soluções mais práticas para que essas mulheres tenham cada vez possibilidades mais fáceis. Já é tudo tão difícil para elas", disse.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER