21.07.2019 | 07h55


SAÚDE DO BEBÊ

Bebês não devem comer papinhas industrializadas, diz OMS

A maioria dos produtos comercializados para os pequenos contém ingredientes nocivos, que não devem ser ingeridos antes dos três anos de idade.



Quando vamos ao mercado, é possível encontrar uma grande quantidade de produtos alimentícios para bebês. Entre eles, está a papinha industrializada. Os rótulos mostram que o consumo é saudável, e até menores de seis meses podem comer. Mas segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maioria dessas mercadorias contém níveis inapropriados de açúcar.

Bebês menores de seis meses devem consumir apenas leite materno. Portanto, qualquer produto comercializado para essa faixa etária é enganoso.

Quando os pequenos são expostos a grandes quantidades de açúcar logo cedo, o risco de adquirir sobrepeso e cáries aumenta drasticamente.

A OMS também alerta que o consumo precoce pode fazer as crianças terem uma preferência por alimentos açucarados para o resto da vida, acarretando em doenças como o diabetes.

Como o estudo foi feito

Entre novembro de 2017 a janeiro de 2018, o departamento europeu da OMS analisou quase 8.000 produtos de mais de 500 lojas pela Europa. Foi descoberto que a maioria deles continha rótulos enganosos, pois eram vendidos como saudáveis para menores de seis meses, e ao mesmo tempo continham ingredientes proibidos para esse público.

"Em quase metade das mercadorias examinadas, mais de 30% das calorias eram de açúcares totais, e um terço dos produtos continham açúcar adicionado ou outros agentes adoçantes", disseram os responsáveis pelo estudo.

Açúcar, suco de frutas concentrados e adoçantes são ingredientes prejudiciais em alimentos infantis. E de acordo com a organização, 18 a 57% dos produtos analisados continham esses elementos.

Recomendações da OMS

Recentemente, a OMS recomendou que a alimentação de crianças entre seis meses e dois anos seja feita apenas com alimentos ricos em nutrientes, preparados em casa. Açúcares devem ser retirados do cardápio de bebês.

A organização também pede que os rótulos dos produtos infantis sejam atualizados, indicando que o consumo deles não deve ser feito por menores de três anos.

Zsuzsanna Jakab, diretora regional da agência de saúde, alerta que uma boa nutrição durante o período neonatal e a infância é essencial para assegurar um crescimento e desenvolvimento saudável da criança.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO