16.10.2019 | 09h34


CASO RARO

Adolescente sente dores e descobre que tem dois úteros

A inglesa Molly Taylor apresenta uma condição rara chamada útero didelfo, que também inclui duas vaginas e dois colos do útero



esde que menstruou pela primeira vez, aos 9 anos de idade, Molly-Rose Taylor, 19, sentia dores insuportáveis. Na época, os médicos não deram atenção aos sintomas, acreditando que seriam causados pela pouca idade da garota. Oito anos mais tarde, a moradora da cidade de Gillingham, na Inglaterra, recebeu a notícia de que tinha duas vaginas, dois úteros e dois colos do útero.

Molly foi diagnosticada com útero didelfo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a condição é resultado de uma malformação congênita que faz com que a cavidade do útero seja dividida em duas partes por um septo. Este septo pode chegar ao colo do útero ou atingir apenas dois terços, metade ou um terço do comprimento da cavidade uterina.

Entre as consequências do útero didelfo estão amenorreia primária (ausência de ciclos menstruais mensais), disfunção sexual, dor pélvica, endometriose, hemorragia uterina anormal e infecção. Em caso de gravidez, podem ocorrer aborto espontâneo ou parto prematuro.

No caso de Molly, o septo tinha 2 cm de espessura. Antes de receber o diagnóstico, ela disse em entrevistas que sentia “cãibras insuportáveis que ​​a faziam delirar e, muitas vezes, desmaiar”. A segunda vagina foi descoberta porque, apesar de usar absorventes internos, era comum que o sangue vazasse durante o ciclo menstrual.

Desde que começou a menstruar, Taylor fazia uso de anticoncepcionais para controlar o fluxo. Ao tornar-se sexualmente ativa, a garota começou a desconfiar que algo estava errado, pois o ato sexual lhe provocava dores intensas.

Em 2017, Molly finalmente recebeu o diagnóstico correto e foi submetida a uma cirurgia no Hospital Universitário de Londres para remover o tecido que divide as duas vaginas. A moça, contudo, não autorizou que a equipe médica retirasse qualquer um dos seus órgãos reprodutivos duplicados.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO