29.07.2010 | 10h22


Rodovias de MT continuam sem radar eletrônico



Não há radares nem lombadas eletrônicas nas rodovias estaduais de Mato Grosso. Um ano se passou desde que o Departamento de Trânsito do Estado (Detran/MT) anunciou a publicação de um edital para instalação de 90 pontos de fiscalização eletrônica em 12 rodovias estaduais. De lá para cá, o processo licitatório anda de modo lento entre os órgãos do governo e não há data definida para a instalação dos equipamentos.

Já nas 5 rodovias federais que cortam o Estado, os 16 redutores de velocidade mantidos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) também não estão funcionado. Eles estão desligados.

Além da ausência de fiscalização eletrônica fixa, faltam também radares móveis. Atualmente os aparelhos utilizados pela Polícia Rodoviária Federal estão no Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial para aferição, mas normalmente são utilizados em parceria com a Polícia Militar, que não tem o equipamento para fiscalizar as MTs. De acordo com informações da Polícia Militar, o Batalhão de Trânsito passa por reestruturação e vai receber novos equipamentos.

O projeto do Detran/MT foi divulgado em julho de 2009 e consistia em monitorar diferentes pontos das MTs 010, 040, 060, 100, 130, 170, 175, 251, 270, 344, 358 e 483. Na época, o custo do projeto era de aproximadamente R$ 1 milhão e previa ainda a criação de centrais que, assim como na cidade de São Paulo, utilizariam câmeras de monitoramento para acompanhar o tráfego e gravar todas as informações.

Entretanto, até agora nada foi implantado. O presidente do Detran, Teodoro Lopes, explica que há 2 meses o projeto estava na Secretaria de Administração do Estado (SAD), mas agora foi para a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra). "Vamos instalar os equipamentos em convênio com a Sinfra e assim que o projeto voltar para o Detran, abrimos para licitação. Esperamos instalar todos os radares, lombadas e as centrais de monitoramento ainda este ano".

Para Lopes, além do projeto ter que passar por diferentes órgãos, outro fator que torna o processo lento é o fato de ter que contratar empresas especializadas para dar suporte antes e depois das instalações.

Quanto aos equipamentos do Dnit, o órgão explica que em agosto de 2009 foi lançada nova licitação para contratação de empresas que operam equipamentos de controle de velocidade e na sexta-feira (23) o resultado foi publicado para abertura do prazo recursal, que termina amanhã (30). Se não houver recurso, o resultado da licitação é homologado e a empresa vencedora é chamada para assinar o contrato e começar a operar.

O departamento informa ainda que serão instalados 2.696 novos equipamentos de controle de velocidade nas rodovias federias do país, sendo 16 lombadas eletrônicas e 42 radares fixos em Mato Grosso, sem data definida.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER