17.08.2014 | 11h54


POLÍCIA / VEJA VÍDEO

Presidente de associação rural e esposa são mortos após denuncia contra PMs e políticos de MT

Os corpos foram encontrados crivados de tiros de fogo 9mm, que é de uso restrito.


DA REDAÇÃO

O Presidente da Associação ASPRONU (Associação de Produtores Rurais Nova União), Josias Paulino de Castro, 54 anos, e sua esposa, Ireni da Silva Castro, 35 anos, foram assassinados neste sábado (16), no Distrito de Guariba, no Município de Colniza. A execução revoltou moradores da região, já que todos sabiam que o casal neste mês de agosto, veio até Cuiabá realizar várias denúncias ao ouvidor Agrário Nacional, desembargador Gercino José da Silva.

Segundo informações do site, O Pantanal Online, ele teria denunciado alguns políticos da região, por extração de madeiras ilegais. Também denunciou a Polícia Militar por irregularidades e também e órgãos por emissões irregulares de títulos definitivos das terras na região.

Por várias vezes, na reunião, Josias afirmou a existência de ‘pistoleiros’ na região e que nunca foram tomadas providências. "Estamos morrendo, somos ameaçados, o Governo de Mato Grosso é conivente, a PM de Guariba protege eles, o Governo Federal é omisso, será que eu vou ter que ser assassinado para que vocês acreditem e tomem providências”, disse Josias no dia 5 de Agosto.

Segundo informações da Polícia Civil de Colniza, os corpos foram encontrados crivados de tiros de arma de fogo 9mm, que é de uso restrito. “Os dois foram baleados na cabeça e Ireni ainda levou um tiro na mão”, disse um policial.

O delegado de Polícia Judiciária Civil, Marco Bortolotto Remuzzi, abriu inquérito e investiga o duplo homicídio. A polícia ainda não tem informações a respeito de quem tenha assassinado o casal.

Veja vídeo feito pelo site O Pantanal Online onde registra a reunião com autoridades em Cuiabá e toda a denúnicia feita pelo presidente da associação:











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Juca do Pequi  20.08.14 14h18
Ninguém morre de graça. Esse casal certamente vivia inflamando os grileiros e outros tipos de invasores à tomar do que é dos outros. Isso não vejo ninguém noticiar né?

Responder

0
0
Pedro  18.08.14 11h35
É, quem tem governos e legisladores ligados ao grande latifúndio tá sujeito a tudo de ruim,pois não tem nem como reagir as opressões e ameaças que sofrem a todo momento,quando quer denunciar não sabem pra quem pois são quase todos farinha do mesmo saco,ai acontece o que vem frequentemente acontecendo. Pais de familias indefesos tentando buscar sua sobrevivência e de seus, de forma justa e honesta e são brutalmente assassinados.O estado é totalmente culpado por isso, por tanto temos que responsabilizá-lo

Responder

0
0
Nelson  18.08.14 09h18
Cadê a Policia Federal, Força Nacional, MPF etc. Se fosse em Terra Indígena estavam metendo a taca nos invasores!!! Denunciou para ouvidor agrário federal que políticos usaram dinheiro da regularização agraria e só beneficiaram com terras. Quem são os tubarões??? Podre!!!! Quem vende madeira da região? Cadê o IBAMA e a SEMA-MT?

Responder

0
0
karla   17.08.14 17h58
parabens ao jornal pela imparcialidade, espero q continuem em cima desse caso

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO