17.08.2010 | 12h29


Prefeito acusado de pedofilia pode ter prisão decretada

MAYARA MICHELS
DA REDAÇÃO

O inquérito que investiga as acusações de abuso sexual contra o prefeito Eduardo Zeferino (PR), de Dom Aquino (166 km ao Sul de Cuiabá), deverá ser concluído ainda nesta semana.

De acordo com as informações do delegado que investiga o caso, Fernando Vasco Spinelli, da Polícia Civil de Campo Verde, todas a pessoas que, direta ou indiretamente poderiam contribuir com as investigações do caso já prestaram depoimentos. O próprio prefeito já depôs.

O político é acusado de abusar sexualmente de, pelo menos, cinco meninas com idade entre 7 e 10 anos, conforme denúncias registradas pela Polícia Civil local. As próprias crianças, em depoimentos, confirmaram os abusos praticados pelo prefeito, segundo as informações.

O crime foi descoberto em função do comportamento "estranho" das meninas. Elas foram encaminhadas para um psicólogo, a quem confessaram que o prefeito praticou abuso sexual, em visitas à residência dele.

"Estas informações foram levantadas para a Promotoria da Infância e Juventude de Cuiabá, que ouviu as crianças e familiares. Foi pedida a prisão preventiva do prefeito, porém, a Justiça indeferiu, pois faltava relato de testemunhas. Além do inquérito policial para a investigação sobre se outras crianças foram abusadas", afirmou o delegado que acompanhou o inicío do caso, Victor Hugo Teixeira.

Além das cinco vítimas já identificadas pela Polícia Civil, outras 11 crianças também podem ter sido molestadas pelo prefeito. De acordo com a Polícia, as outras vítimas são crianças de 7 a 11 anos, que participaram de um projeto social criado pelo prefeito, denominado "Batutinha".

Zeferino continua trabalhando normalmente na cidade, dando expediente na Prefeitura de Dom Aquino. Segundo o delegado, ele nega todas as acusações.

De acordo com a Promotoria da Infância e Juventude de Cuiabá, antes de tomar alguma medida, o MP aguarda pela investigação da Polícia Cívil. Tão logo o inquérito seja concluído, o MP irá analisar as provas de que Eduardo Zeferino tenha praticado o crime.

Ameaça de morte

O prefeito estaria ameaçando de morte as famílias das vítimas. "Estamos com muito medo. Ele ameaçou a minha família... Tá gerando uma insegurança de sair de casa, de deixar as crianças sozinhas. Temos medo de deparar com alguém que pode nos matar", afirmou uma das mães, que não quis ser identificada por questões de segurança, em entrevista à TVCA.

"Eu sugeri ao procurador-geral de Justiça que peça a prisão preventiva deste prefeito, porque ele tem poder político e tem poder econômico", afirmou o promotor da Infância e da Juventude, José Antonio Borges.

Outro lado

A reportagem tentou, por várias vezes, entrar em contato com Eduardo Zeferino, porém ele não foi localizado.

No dia 3 de agosto, Eduardo Zeferino conversou com uma equipe da TV Centro América. Ele tentou mostrar segurança, mas não quis muita conversa, apenas aproveitou para se defender das acusações.

"Até o momento, eu só estou sendo acusado. Mas tenho a minha consciência tranqüila. A quem acusa cabe o ônus da prova", afirmou o prefeito.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER